Xiaomi registra no segundo trimestre de 2017, retoma o crescimento

Xiaomi alcançou resultados recordes no segundo trimestre de 2017. Fala-se em 23,16 milhĂ”es de smartphones vendidos, fazendo um 70% de crescimento comparado ao trimestre anterior. NĂșmeros que certificam como A empresa chinesa definiu agora um balanço de 2016, que no entanto representou um elemento fundamental da estratĂ©gia de crescimento com vista para o futuro, na lĂłgica de encurtar distĂąncias dos concorrentes diretos.

Ano passado Xiaomi sofreu uma queda de 30% nas vendas. Um resultado que, por si sĂł, pode ser considerado extremamente negativo. De fato, a palavra-chave era “diversificação”. A empresa chinesa ganhou destaque com o Mi1, smartphone de baixo custo comercializado em 2011, cujo sucesso desencadeou uma hipĂ©rbole ascendente que atingiu seu pico em 2015.

Xiaomi Mi 6
Xiaomi Mi 6

Apenas 5 anos após sua fundação (e 4 desde que realmente entrou no mercado), Xiaomi encerrou o ano civil de 2015 com 80 milhÔes de smartphones vendido, elevando o quarto lugar no ranking mundial de fabricantes de telefones, atrås apenas de Samsung, maçã é Huawei. Resultados incríveis considerando o período de tempo.

Leia também: Xiaomi Mi 6 é oficial, poder e atenção aos detalhes

Nesse ponto, a hipĂ©rbole ascendente alcançou o que Ă© chamado de jargĂŁo limiar “disruptivo” (ou, simplificando, o nĂ­vel mĂĄximo possĂ­vel com base nos investimentos realizados e na situação do mercado), parando. Xiaomi no ano civil de 2016, vendeu 54 milhĂ”es de smartphones, exatamente 26 milhĂ”es de unidades a menos que em 2015, caindo para o quinto lugar no ranking mundial de fabricantes de telefones. É nesse ponto que a diversificação foi desencadeada.

Xiaomi
Xiaomi Mi TV Box 3

De TVs de caixa multimídia a TVs inteligentes reais, incluindo bicicletas, desumidificadores, roteadores e até mesmo um dispositivo para cozinhar arroz que pode ser controlado via smartphone, sem esquecer de entrar no setor de PCs com o Mi Notebook Air. Diante de um declínio nas vendas de smartphones, Xiaomi viu dobrar os lucros de dispositivos inteligentes.

Uma espécie de otimização de seus negócios, que permitiu à empresa chinesa se abrir potencialmente a toda uma série de setores, eliminando o risco de depender apenas de smartphones. Com tudo isso planejado, em 2017 a atenção voltou aos dispositivos móveis.

Xiaomi Lei Jun
Lei Jun, CEO Xiaomi

“O resultado obtido em Q2 2017 representa um ponto de virada para o nosso crescimento. Este Ă© um marco importante para Xiaomi dado que, atĂ© o momento, nenhuma outra empresa de smartphones conseguiu retomar o crescimento apĂłs uma queda nas vendas. Um novo capĂ­tulo acaba de começar e nosso futuro Ă© tĂŁo vasto quanto as constelaçÔes do cĂ©u “, afirmou Lei Jun, CEO da empresa chinesa.

Leia também: Xiaomi Mi Mix é um show, a Apple assiste e aprende

NĂŁo hĂĄ dĂșvida de que esse crescimento, apĂłs uma queda tĂŁo significativa nas vendas, representa em si um valor extremamente relevante. A isto deve-se acrescentar o fato de que os resultados mais impressionantes foram obtidos por Xiaomi em paĂ­ses emergentes, especialmente Índia e IndonĂ©sia, ou nos mercados mais atraentes do futuro.

Xiaomi Mi Mix
Xiaomi Mi Mix

Uma situação que poderia permitir Xiaomi atingir, em 2018, o tão desejado objetivo do 100 milhÔes de smartphones vendidos. Uma espécie de limiar psicológico, que permitiria à empresa chinesa encurtar as distùncias para o pódio no ranking dos fabricantes mundiais de telefonia.

De qualquer forma, uma nova peça serĂĄ adicionada amanhĂŁ. Xiaomi estĂĄ de fato planejando a apresentação de um novo smartphone topo de gama que, junto com o tĂŁo esperado Mi Mix 2, tambĂ©m deve permitir que vocĂȘ experimente a segunda parte de 2017 como protagonista. Diversificação tambĂ©m no catĂĄlogo de dispositivos mĂłveis, na verdade.


Tom’s Recommend

o Huawei P10 Lite Ă© a versĂŁo enfraquecida da atual gama superior da empresa chinesa. Possui 4 GB de RAM, tela Full-HD e um excelente valor ao dinheiro.