Xiaomi Redmi Note 7 review: o novo ponto de referência abaixo dos 200 euros

A Xiaomi conseguiu novamente. O Redmi Note 7 √© uma best-buy, e as vendas j√° parecem provar que a empresa chinesa est√° certa. De fato, 4 milh√Ķes de unidades j√° foram vendidas globalmente em pouco mais de 1 m√™s ap√≥s o marketing. Afinal, abaixo de 200 euros, √© realmente dif√≠cil (se n√£o imposs√≠vel) encontrar um smartphone que ofere√ßa a mesma experi√™ncia do usu√°rio que este produto, especialmente em n√≠vel fotogr√°fico.

De fato, ele imediatamente atraiu a aten√ß√£o para si mesmo gra√ßas √† sua presen√ßa de uma c√Ęmera traseira de 48 megapixels. Como veremos, al√©m dos simples dados num√©ricos, a Xiaomi fez um excelente trabalho em uma √°rea – precisamente a fotogr√°fica – que geralmente oferece pouca satisfa√ß√£o nessa faixa de pre√ßo. O Redmi Note 7 ainda oferece muito mais: bom desempenho, tela convincente, autonomia s√≥lida. Existem algumas rebarbas, mas nada que comprometa a experi√™ncia do usu√°rio.

Setor fotográfico, é o equipamento extra

Na parte de tr√°s, na verdade, o Redmi Note 7 pode contar com uma c√Ęmera dupla, com um sensor principal de 48 megapixels e uma lente f / 1.8. Em particular, √© um sensor Samsung ISOCELL Bright GM1, completo com estabiliza√ß√£o eletr√īnica e possibilidade de gravar v√≠deos em Full-HD a 60 qps. Al√©m disso, √© combinada com uma c√Ęmera secund√°ria de 5 megapixels para profundidade de campo, que interv√©m para permitir que voc√™ posicione melhor o assunto na cena.

Vamos esclarecer um aspecto imediatamente. Automaticamente, as fotografias tiradas pelo Redmi Note 7 n√£o t√™m 48 megapixels, mas 12 pixels, o que ocorre em rela√ß√£o √† tecnologia de interpola√ß√£o de pixels (4 pixels em 1). Atrav√©s deste sistema Xiaomi conseguiu manter o n√≠vel de detalhe alto mesmo √† noite, com as imagens que obviamente parecem convincentes mesmo durante o dia. No entanto, ningu√©m pro√≠be o acesso √† resolu√ß√£o m√°xima, basta usar o modo “Pro”.

Dito isto, como j√° foi escrito, os desempenhos fotogr√°ficos s√£o excelentes, considerando a faixa de pre√ßo. Gostei particularmente da capacidade do smartphone de n√£o saturar muito as cores, mesmo no modo noturno. Os efeitos bokeh (fundo desfocado) s√£o realmente mais naturais gra√ßas ao segundo sensor de 5 megapixels, embora eu ache que uma lente telefoto teria sido mais √ļtil, para ter um zoom √≥ptico dispon√≠vel. De qualquer forma, ainda estamos falando de um produto que come√ßa em ‚ā¨ 179,90.

A c√Ęmera frontal de 13 megapixels com lente f / 2.2 tamb√©m √© convincente. Nesse caso, o sensor sofre mais √† noite, mas as selfies s√£o absolutamente agrad√°veis, mesmo que o modo retrato “delineie” de uma maneira n√£o natural. Os v√≠deos n√£o fazem um milagre chorar: com pouca luz, observa-se a perda de detalhes, enquanto a estabiliza√ß√£o eletr√īnica cumpre sua fun√ß√£o geral, exceto movimentos particularmente bruscos.

Como dito no come√ßo, existem algumas rebarbas, √Č inevit√°vel. O setor fotogr√°fico, no entanto, deve ser promovido com cores voadoras e representa um importante desafio tamb√©m para os concorrentes diretos, que ser√£o chamados a garantir a mesma qualidade abaixo de 200 euros. Uma tend√™ncia importante, especialmente para o usu√°rio final, que no futuro provavelmente ter√° menos e menos raz√Ķes para voltar ao topo da faixa.

Desempenho e exibição, a Xiaomi joga com segurança

O Snapdragon 660 √© um processador extremamente comprovado. Vimos isso em muitos smartphones, especialmente na casa da Xiaomi, e isso n√£o decepciona nem mesmo no Redmi Note 7. Nos primeiros dias de uso, notei uma desacelera√ß√£o inesperada da interface, desapareceu com as atualiza√ß√Ķes de software que a empresa chinesa lan√ßa regularmente. Atualmente, o smartphone √© fluido e √°gil, especialmente em opera√ß√Ķes di√°rias.

Pode ser adquirido com 3 ou 4 Gigabytes de RAM (nossa versão é a segunda) e com 32 ou 64 gigabytes de memória interna, nos dois casos expansíveis via micro-SD. No nível de desempenho, há menos espanto, mas simplesmente porque não é tão raro encontrar smartphones com desempenho abaixo dos 200 euros. De qualquer forma, um excelente trabalho da Xiaomi também deste ponto de vista.

A tela de 6,3 polegadas √© o habitual painel LCD IPS integrado pela empresa chinesa em seus smartphones. Possui resolu√ß√£o Full-HD + (1.080 x 2.340 pixels) e garante o bom desempenho usual. N√£o √© caracterizado por um brilho muito alto, portanto, em dias particularmente brilhantes voc√™ pode ter algumas dores de cabe√ßa na visibilidade externa. Bons √Ęngulos de vis√£o e renderiza√ß√£o de cores.

Al√©m disso, a Xiaomi escolheu um design com um entalhe de gota, para o qual a tela √© interrompida por um “entalhe” fundamentalmente discreto. Os quadros s√£o pequenos, mas ainda est√£o presentes, portanto, o fen√īmeno de toques involunt√°rios na tela n√£o ocorre. A concha √© feita inteiramente de vidro, mas isso n√£o a torna particularmente escorregadia. No entanto, uma capa TPU flex√≠vel est√° inclu√≠da no pacote de vendas, outro elemento surpreendente considerando o pre√ßo de tabela.

O design certamente n√£o √© o mais original, especialmente com a colora√ß√£o exibida nas imagens (a variante de cor azul √© muito mais bem-sucedida). N√£o h√° certifica√ß√£o √† prova d’√°gua, no entanto, a tela √© protegida por um vidro Gorilla Glass 5, portanto deve ser particularmente resistente a choques e quedas. A sali√™ncia da c√Ęmera traseira dupla √© particularmente acentuada e mesmo a tampa inclu√≠da na embalagem n√£o pode elimin√°-la completamente.

A conectividade est√° definitivamente completa: Wi-Fi ac de banda dupla, Bluetooth 5.0, GPS A-GLONASS BDS, porta de infravermelho, r√°dio FM, conector de √°udio de 3,5 mm e tamb√©m suporte para Dual SIM (desde que voc√™ n√£o desista da expans√£o da mem√≥ria). Infelizmente, a NFC est√° faltando. A parte do software √© confiada ao Android 9, personalizado com o agora conhecido MIUI 10. Pessoalmente, acho que a Xiaomi √© uma das melhores interfaces gr√°ficas no panorama do rob√ī verde, juntamente com a One UI da Samsung. No entanto, a empresa chinesa deve trabalhar na apresenta√ß√£o de pequenos detalhes (como a disponibilidade de alguns servi√ßos) que ainda limitam a experi√™ncia geral de usu√°rios n√£o asi√°ticos.

Boas not√≠cias da autonomia. A bateria de 4.000 mAh, combinada com o meu uso habitual (combinado entre LTE e Wi-Fi, 2 contas de email, centenas de notifica√ß√Ķes de redes sociais e aplicativos de mensagens instant√Ęneas, mais de 2 horas de chamadas telef√īnicas), me permitiu ficar longe da tomada por cerca de 20 horas cont√≠nuas em compara√ß√£o com 5 horas de tela de acesso (em dias mais intensos, esse n√ļmero caiu para cerca de 4 horas). Portanto, abrange extensivamente o dia √ļtil e tamb√©m h√° carregamento r√°pido, mesmo que o carregador inclu√≠do na embalagem seja “padr√£o”.

Conclus√Ķes: quem deve compr√°-lo?

Caso seu or√ßamento n√£o ultrapasse 200 euros, o produto a ser considerado √© o Redmi Note 7. Na It√°lia, o pre√ßo inicial √© de ‚ā¨ 179,90 na vers√£o de 3 Gigabytes de RAM e de 32 Gigabytes de armazenamento, que passa a ‚ā¨ 199,90 para a vers√£o de 4/64 Gigabyte. O conselho √© focar neste segundo, j√° que a RAM extra, embora n√£o fa√ßa diferen√ßa hoje em termos de desempenho, poder√° faz√™-lo em uma perspectiva futura, especialmente no gerenciamento de atualiza√ß√Ķes do sistema.

Xiaomi percebeu o que j√° est√° se tornando um dos mais vendidos de 2019, demonstrando mais uma vez como √© poss√≠vel criar smartphones de bom n√≠vel sem ter que gastar n√ļmeros estonteantes. A sensa√ß√£o √© de que este produto pode empurrar todos os concorrentes diretos (Samsung, Huawei, Honor em primeiro lugar) para acelerar ainda mais nessa faixa de pre√ßo. Teremos uma imagem mais clara nos pr√≥ximos meses.