Xiaomi Mi 9 avaliação: potencialmente uma melhor compra, mas ainda é imatura

√Č poss√≠vel comprar um smartphone topo de gama de nova gera√ß√£o por 450 ‚ā¨? Sim, gra√ßas ao Xiaomi Mi 9. A empresa chinesa, mais uma vez este ano, conseguiu colocar o golpe no mercado, com um produto caracterizado por uma excelente rela√ß√£o qualidade / pre√ßo, oferecido a menos da metade de seus concorrentes diretos. No entanto, nem tudo que reluz √© ouro, e quem compra este dispositivo deve estar ciente de alguns compromissos que enfrenta. Come√ßando com a parte do software.

Vamos esclarecer um aspecto imediatamente. Temos em nossas m√£os o Xiaomi Mi 9 do dia anterior √† apresenta√ß√£o oficial para o mercado europeu. Durante essas tr√™s semanas de julgamento v√°rias atualiza√ß√Ķes foram distribu√≠das, que est√£o melhorando progressivamente o software. No entanto, ainda existem alguns erros que incomodam no uso di√°rio, nos quais a empresa chinesa inevitavelmente ter√° que trabalhar.

No entanto, estamos na frente a uma potencial melhor compra de 2019. Ser√° praticamente imposs√≠vel, durante o ano, comprar um smartphone baseado no Snapdragon 855 da Qualcomm por 450 euros por dia. Em um mercado em que dispositivos premium j√° ultrapassaram o limiar psicol√≥gico de 1.000 euros, a Xiaomi ainda consegue oferecer “tecnologia ao alcance de todos”, conforme afirmado na reivindica√ß√£o do perfil oficial do Instagram da empresa chinesa.

Software e desempenho, dois lados da mesma moeda

A quest√£o relacionada ao software Mi 9 √© complexa. Obviamente, ele √© baseado no Android 9 Pie, personalizado com o MIUI 10.12. Pessoalmente, acredito que, juntamente com a One UI da Samsung, a melhor interface gr√°fica na paisagem do rob√ī verde. Nos √ļltimos dois anos, sem mudan√ßas est√©ticas, ele n√£o sofreu melhorias espec√≠ficas, mas os recursos oferecidos e, acima de tudo, a otimiza√ß√£o na plataforma de hardware sempre fazem a diferen√ßa.

Mi 9 √© um raio em qualquer circunst√Ęncia. O Snapdragon 855, que j√° prometeu bem nos benchmarks, realmente consegue dar o seu melhor neste smartphone, em que, entre outras coisas, √© combinado com 6 Gigabytes de RAM e 64/128 GB de mem√≥ria interna (n√£o expans√≠vel). Mesmo quando est√° estressado, talvez durante as sess√Ķes de jogo, a nova criatura Xiaomi √© sempre encontrada pronta.

Nesse cen√°rio, parecia quase paradoxal encontrar alguns pequenos bugs no software: as notifica√ß√Ķes continuam fazendo birras em combina√ß√£o com o entalhe nos smartphones Xiaomi; o gerenciamento do Instagram Stories est√° em d√©ficit, com lentid√£o evidente em uso; o sensor biom√©trico, posicionado na tela, em alguns casos √© dif√≠cil reconhecer as impress√Ķes digitais e, acima de tudo, pode sobrepor as telas em que √© necess√°ria a autentica√ß√£o com o PIN num√©rico. Estes s√£o apenas alguns exemplos das anomalias encontradas.

√Č evidente como √© tratado de software ainda imaturo. Deste ponto de vista, o Mi 9 provavelmente precisaria de mais alguns meses antes de ser comercializado. Ali√°s, essas anomalias geralmente refletiam na autonomia, com aplicativos como Whatsapp, Instagram e Facebook que, em alguns dias, consumiam entre 40 e 50% da bateria. Tamb√©m neste caso, um erro √≥bvio no qual um patch ser√° certamente colocado, mas que atualmente pode comprometer a experi√™ncia.

De qualquer forma, nos dias em que esse bug n√£o ocorreu e com meu uso habitual (misturado entre LTE e Wi-Fi, 2 contas de email, centenas de notifica√ß√Ķes de redes sociais e aplicativos de mensagens instant√Ęneas, mais de 2 horas de telefonemas), consegui cobrir cerca de 21/22 horas da tomada el√©trica na frente de 4 horas da tela de acesso. Um bom resultado, embora a bateria n√£o seja particularmente grande (3.300 mAh). A Xiaomi agora nos ensinou, deste ponto de vista, como a otimiza√ß√£o faz a diferen√ßa. No entanto, n√£o h√° falta de carregamento r√°pido e sem fio.

Visor e c√Ęmera, a dist√Ęncia do topo foi reduzida

No entanto, seria um eufemismo avaliar o Mi 9 apenas em rela√ß√£o √† parte do software, porque √© um smartphone que pode oferecer muito. Come√ßando com a excelente tela de 6,39 polegadas que domina a frente. √Č um painel Super AMOLED, caracterizado por uma resolu√ß√£o de 1.080 x 2.340 pixels e uma propor√ß√£o de 19,5: 9. Pouco a dizer nesta tela: excelente brilho, excelente visibilidade externa, convincente renderiza√ß√£o de cores. Comparado com o que nos acostumou no passado, a Xiaomi deu um salto real na qualidade nesta √°rea.

Al√©m disso, a tela possui certifica√ß√£o HDR10, portanto, qualidade m√°xima para a reprodu√ß√£o do conte√ļdo das plataformas de streaming. Mais, o entalhe de gotejamento (ele abriga apenas a c√Ęmera frontal de 20 megapixels), √© discreto e subtrai menos superf√≠cie para assistir a v√≠deos, e a tela √© protegida por um vidro Gorilla Glass 6; portanto, deve ser particularmente resistente a quedas e impactos acidentais.

Discurso semelhante para a parte fotográfica. Desta vez Xiaomi escolheu uma configuração traseira com três sensores: os principais 48 megapixels com lente f / 1.8; a lente telefoto secundária de 12 megapixels f / 2.2, que permite um zoom óptico de 2X; a terceira grande angular de 16 megapixels f / 2.2. Uma escolha, esta da empresa chinesa, que oferece ao usuário tanta versatilidade de acordo com as necessidades de uso.

O principal sensor de 48 megapixels garante excelentes fotos durante o dia e √† noite (neste caso, um pouco de ru√≠do digital assume). A capacidade de usar o zoom √≥ptico de 2X faz a diferen√ßa em muitas circunst√Ęncias, enquanto o sensor de grande angular √© sempre divertido de usar, mesmo que sofra mais com pouca luz. No geral, encontrei melhorias significativas em rela√ß√£o ao desempenho fotogr√°fico do antecessor Mi 8, especialmente na grava√ß√£o de v√≠deo. O Mi 9 foi indicado pelo DxO Mark como um dos melhores smartphones na produ√ß√£o dos v√≠deos, e eu pessoalmente concordo com esta avalia√ß√£o.

Mi 9 faz excelentes v√≠deosindependentemente das condi√ß√Ķes ambientais. Os filmes podem atingir a resolu√ß√£o 4K a 60 qps e, al√©m disso, tamb√©m existe o modo super c√Ęmera lenta a 960 qps, com a resolu√ß√£o neste caso diminuindo para Full-HD. As fotografias tiradas pela c√Ęmera frontal de 20 megapixels tamb√©m s√£o boas, entre outras coisas, auxiliadas pelas fun√ß√Ķes usuais do software (modo retrato, desfoque etc.).

Finalmente, pouco a dizer sobre a parte da constru√ß√£o. O Mi 9 √© feito inteiramente de vidro, uma escolha que, no entanto, n√£o compromete a ergonomia. Ele se mant√©m bem nas m√£os, o peso de 173 gramas √© contido considerando a diagonal da tela, e a sensa√ß√£o ao toque √© a de um produto premium. Muito ruim para a protrus√£o da c√Ęmera traseira tripla (que, no entanto, √© amplamente eliminada da tampa inclu√≠da na embalagem) e para a aus√™ncia de uma certifica√ß√£o √† prova d’√°gua. A cor que voc√™ v√™ retratada nas imagens √© a chamada Piano Black, mas as variantes crom√°ticas Lavender Violet e Ocean Blue tamb√©m devem chegar na It√°lia.

Conclus√Ķes: quem deve compr√°-lo?

Vamos resumir. Mi 9 é um produto muito válido, líquido da parte do software ainda não madura. Tê-lo posicionado a 449,90 euros imediatamente é um confronto importante para a Xiaomi. Não é de surpreender que o smartphone subiu imediatamente para o topo do ranking de vendas da Amazon Itália, e há uma aposta de que ele será um dos mais vendidos da empresa chinesa em 2019.

√Č o produto ideal para quem procura um verdadeiro desempenho topo de gama, sem contudo querer gastar n√ļmeros estonteantes. Provavelmente aqueles que analisam detalhes espec√≠ficos de hardware (estabiliza√ß√£o √≥ptica, tomada de √°udio etc …) ou software (disponibilidade de todos os servi√ßos na It√°lia, alguns recursos espec√≠ficos etc …) ter√£o que procurar em outro lugar, mas necessariamente gastando mais. Na faixa de pre√ßo entre 400 e 500 euros, atualmente √© o dispositivo a ser batido.