WhatsApp ainda contra fraudes, mensagens enviadas cinco vezes ser√£o destacadas

A batalha de continua Whatsapp contra not√≠cias falsas. Ap√≥s a not√≠cia que come√ßou a ser testada h√° 10 dias, desta vez passamos de imagens para texto, por descubra se uma mensagem foi encaminhada cinco ou mais vezes. Al√©m disso, √© normal que o programa de mensagens instant√Ęneas seja particularmente cuidadoso ao limitar a propaga√ß√£o de boatos e not√≠cias falsas, tanto quanto poss√≠vel, dados os problemas que enfrentou no passado recente, com as campanhas de √≥dio divulgadas na √ćndia.

A not√≠cia, relatada como sempre pelos colegas da WABetaInfo, diz respeito √† vers√£o beta 2.19.80. Nesse caso uma voz simples distingue as mensagens frequentemente encaminhadas daqueles simplesmente encaminhados: o discriminante √© o limiar de cinco vezes, estabelecido h√° algum tempo. Quem encaminha uma mensagem pode ver se a mensagem excedeu esse limite ou n√£o e at√© saiba o n√ļmero exato de vezes que uma mensagem foi compartilhada acessando a se√ß√£o Informa√ß√Ķes da mensagem.

√Č √≥bvio que a mera quantidade de vezes que uma mensagem foi compartilhada n√£o √©, por si s√≥, uma condi√ß√£o suficiente para imprimi-la com certeza como uma farsa, mas √© um pressuposto necess√°rio, que, como tal, deve nos fazer suspeitar e nos levar a investigar o assunto. Se existe um limite para essa solu√ß√£o, ela deve ser vista no fato de que o mecanismo de tag afeta apenas as mensagens enviadas. De fato, somente quem enviar uma mensagem poder√° ver a etiqueta e somente depois de envi√°-la. O mecanismo, portanto, parece imperfeito e capaz de provocar d√ļvidas sobre as mensagens j√° encaminhadas, embora certamente seria mais √ļtil se a fun√ß√£o fosse estendida para as mensagens recebidas, fa√ßa as verifica√ß√Ķes antes de espalh√°-las.

Como sempre, sendo uma vers√£o beta, n√£o podemos saber quando a fun√ß√£o se tornar√° parte da vers√£o est√°vel do WhatsApp, embora geralmente seja uma quest√£o de semanas. Todas essas medidas embora requerem participa√ß√£o ativa do usu√°rio e, portanto, pressup√Ķem total boa-f√©. Uma vis√£o um tanto simplista das coisas.

Sabemos que existem “profissionais” reais de trotes, que os espalham cientificamente, geralmente para fins pol√≠ticos, mas mesmo usu√°rios normais tendem a compartilhar o que acreditam e muitas vezes n√£o est√£o interessados ‚Äč‚Äčem verificar sua confiabilidade , uma vez que o mero fato de que as informa√ß√Ķes s√£o congruentes com as pr√≥prias convic√ß√Ķes, as tornam um conte√ļdo digno de compartilhamento.