Você está infectado com o FOMO? (Medo de perder)

fomo Voc√™ verifica constantemente sua conta em um site de rede social? Voc√™ faz isso mesmo pelo telefone, mesmo quando est√° em um caf√© ou no carro? Voc√™ sai do emprego? para responder a uma notifica√ß√£o? Provavelmente voc√™ foi “infectado” pelo FOMO (Fear Of Missing Out), ou seja, pelo “medo de que eu possa perder alguma coisa”.

Ultimamente, tem havido muita conversa no exterior sobre a FOMO. Esse acr√īnimo descreve um comportamento no qual uma pessoa frequentemente verifica uma m√≠dia social<‚Ķ>

(como Facebook, atualiza√ß√Ķes do Linkedin, fluxos do Twitter, check-ins do Foursquare, Instagram, Pinterest, Google+ etc.), do seu computador ou telefone celular, para n√£o perder algo importante que est√° acontecendo.

“Esse medo est√° relacionado ao pensamento de que posso perder outra coisa que seja mais interessante e atraente do que na vida real. Algo que posso perder quando estou ocupado com um emprego ou atividade fora da Internet. √Č por isso que a verifica√ß√£o frequente envolve elementos viciantes. Talvez algo melhor esteja acontecendo ou apenas algo esteja acontecendo e, como n√£o tenho certeza, vou dar uma olhada. Claramente, esse comportamento, para ser informado sobre tudo o que h√° de novo, n√£o √© recente, pois algo semelhante est√° acontecendo atrav√©s de e-mails ou jornais. S√≥ que a diferen√ßa com a m√≠dia √© que esperamos uma ‘recompensa’ imediata, ou seja, quantos, por exemplo, gostaram de n√≥s, se gostaram do que enviamos. Esse comportamento parece ser mais comum em pessoas de 18 a 33 anos “, explica o psic√≥logo – psicoterapeuta Frosso Mitsiou, da APE – MPE.

Como entendo esse comportamento na minha vida diária? A resposta da Sra. Mitsiou a esta pergunta é a seguinte:

* Verifico meu perfil – minha conta ou notifica√ß√Ķes no meu computador ou se estou fora de casa usando meu telefone celular – mesmo se eu olhasse para ele 5 minutos atr√°s, verificaria novamente se algo escapou de mim na √ļltima vez em que olhei.

* Verifico todas essas informa√ß√Ķes mesmo que eu esteja tomando caf√© ou tomando uma bebida com os amigos. * Dentro do carro, quando o sem√°foro est√° vermelho, escrevo uma mensagem ou respondo a um coment√°rio posterior em uma rede social.

* Corro para responder a uma notificação que me chegou como uma mensagem de texto, embora, naquele momento, eu possa estar em um jantar em família ou ter uma discussão séria.

* Deixei o cliente esperar na sala de recepção enquanto tento recuperar o atraso ou verificar se alguém me enviou alguma coisa.

Como algu√©m √© afetado por esse comportamento? “Alguns argumentam que esse comportamento de ver o que os outros est√£o fazendo os motiva a fazer coisas, socializar e n√£o ficar confinado ao lar. Eles tamb√©m consideram importante, pois faz parte do seu trabalho. Mas o que acontece quando esse comportamento √© verificado por outras pessoas est√° relacionado √† ansiedade, estresse, tens√£o, sentimentos de vergonha, tristeza ou at√© depress√£o. Esses comportamentos podem ter um impacto no relacionamento com os outros se eu investir tempo suficiente na comunica√ß√£o online, e n√£o offline. Especialmente se eu estiver em uma consulta profissional ou mais pessoal e minha mente e minhas m√£os estiverem provavelmente constantemente ao telefone ‚ÄĚ, responde Mitsiou.

O que precisamos (re) pensar? Observando a vida de outras pessoas, podemos perder n√£o apenas o sono – principalmente se verificarmos a Internet √† noite – mas tamb√©m momentos de nossas vidas. Estamos no processo de pensar em um ataque inteligente e interessante para colocar nosso status para obter ‘curtidas’ suficientes? Quando vemos amigos fazendo upload de fotos dos lugares em que estiveram, achamos que tomamos a decis√£o errada de ficar em casa? Ou quando elas saem sem a gente, queremos fazer upload de uma bela foto para mostrar como estamos indo para o lugar que dever√≠amos ter ido, porque √†s vezes estamos em casa e imaginamos onde mais gostar√≠amos de estar? “Em alguns casos, quando esse modo de pensar √© estendido a outros fatores na vida de uma pessoa, pode ser √ļtil procurar um especialista. Pense v√°rias vezes que a vida virtual √© mais agrad√°vel e mais atraente que a vida real, pois a maioria das pessoas escolhe o que enviar ou quais momentos compartilhar. Para uma boa foto, por exemplo, outras 15 fotos podem ter sido tiradas. Pense em como pode ser bom quando algu√©m est√° com os amigos e comenta ou envia detalhes dessa excurs√£o para um meio de rede? Nem tudo √© perfeito, nem as pessoas s√£o t√£o perfeitas quanto pensamos. Invista em momentos com as pessoas, participe de atividades, fa√ßa algo por si mesmo sem precisar “carreg√°-lo” em algum lugar para ter mais valor. Desligue o computador ou o celular por algumas horas ou minutos e veja nossa vida real e n√£o apenas a vida atrav√©s de uma tela ‚ÄĚ, diz Mitsiou.

Ele também aconselha a:

* Faça um acordo consigo mesmo para que todos os dias, durante algum tempo, fique offline e veja seu progresso.

* Durante esse período acordado, ligue o celular silenciosamente ou vire-o para que você não veja a tela que o distrai.

* Leia um livro ou ou√ßa m√ļsica.

* Pense mentalmente em uma imagem que viaja e relaxa você.

* Ligue para um amigo em vez de enviar um email para ele. * Recompense-se (“muito bem, v√° bem!”).

“No por√£o est√° a vista, diz uma m√ļsica, e eu concordo que, mesmo na varanda da nossa casa, podemos estar em boa companhia, viver bons momentos e criar boas lembran√ßas, sem ter que fotograf√°-las para carreg√°-las para algumas m√≠dias sociais para nos mostrar ou nos convencer de que estamos nos divertindo ‚ÄĚ, conclui Mitsiou.

Fonte: secnews.gr