Um circuito neural artificial imita o cérebro humano

Um simples circuito neural artificial funcional foi introduzido por pesquisadores nos Estados Unidos, dando um passo importante no campo da inteligĂȘncia artificial.

Pela primeira vez, esse circuito, que tenta imitar o cérebro humano, consiste em cerca de 100 sinapses artificiais e é funcional, pois pode desempenhar uma função simples do cérebro humano: a classificação de uma imagem.

Um circuito neural artificial imita o cérebro humano

Engenheiros da Universidade da CalifĂłrnia-Santa BĂĄrbara, liderados pelo professor Dmitry Strukov, do Departamento de Engenharia ElĂ©trica e de Computação, que publicou o estudo na revista Nature, disseram que a chamada rede “completa” pode ser uma rede neural completa. com mais desenvolvimento, expandir, para que lentamente se torne mais parecido com o cĂ©rebro humano. NĂŁo Ă© nada fĂĄcil, Ă© claro, jĂĄ que nossos cĂ©rebros tĂȘm um milhĂŁo de conexĂ”es sĂ­ncronas de neurĂŽnios (cĂ©lulas cerebrais).

Apesar de suas fraquezas, o cĂ©rebro humano continua sendo um modelo de poder e eficiĂȘncia computacional para os engenheiros, lutando para criar cĂ©rebros artificiais mais inteligentes, fazendo com que pareçam mais com humanos.

[alert variation=”alert-info”]O circuito neuromĂłrfico pioneiro Ă© baseado no chamado “memristor” – uma combinação das palavras memĂłria e resistor – que substitui os transistores convencionais. Memristores sĂŁo componentes eletrĂŽnicos baseados no movimento nĂŁo de elĂ©trons, mas de Ă­ons, imitando a maneira como as cĂ©lulas nervosas humanas geram e transmitem sinais elĂ©tricos.[/alert]

Mas, para que a inteligĂȘncia artificial se aproxime pelo menos da inteligĂȘncia humana biolĂłgica, serĂĄ necessĂĄrio muito mais memristor para integrar as redes neuromĂłrficas. Somente entĂŁo eles se tornarĂŁo mais complexos e mais “naturais” em suas funçÔes, fazendo as mesmas coisas que a mente humana faz sem esforço e sem muita energia.

No entanto, pesquisadores dos EUA dizem estar otimistas de que os “chips” futuros incorporarĂŁo esses circuitos neuromĂłrficos artificiais, aumentando drasticamente as capacidades dos computadores. Mas, para fazer isso, o prĂłximo passo prĂĄtico serĂĄ poder efetivamente integrar uma rede neuromĂłrfica de memristores na tecnologia convencional de semicondutores (chips) existente.

Fonte: defencenet