Um anônimo onímico fala com o FORUM

362320-anonymous Vivo hacking. Não se limita a computadores. É um modo de vida

ENTREVISTA EM STELLA KEMANETZIS

Um membro do “Anonymous” conversa com o FORUM sobre hackers, como funciona, a filosofia de suas intervenções e sua diferença com quem quebra códigos apenas para se exibir. O contato foi feito através do site de notícias SecNews, que se concentra exclusivamente em questões de segurança. <…>

sistemas de informação. Nosso interlocutor tem 26 anos e dá seu estigma: “Estou lidando com o assunto de segurança (se) há cerca de uma década. Eu vivo hackeando. Não é limitado a computadores. É um modo de vida. Nos últimos anos, o hacking significou apenas encontrar vulnerabilidades em vários tipos de sistemas. Computador, telefone (phreaking), ou em processos que não têm nada a ver com tecnologia (engenharia social é uma forma de hacking), então pareço viver minha vida tentando provar que algo está errado. Está se acostumando com você. “

Quais objetivos você perseguiu e por que os escolheu?

Em geral, escolho meus “objetivos” com base no aborrecimento. Quando uma situação me incomoda, politicamente (sem querer parecer ordenado em algum lugar em particular) ou tem a ver com uma empresa, com alguns acordos “pela porta dos fundos”, que as pessoas deveriam saber. Eu não lido tanto com sites quanto com infraestrutura. Redes e informações internas. Documentos que devem “sair” etc.

Você colabora com o “Anonymous” no exterior? Como alguém se integra à equipe?

Ser “anônimo” não significa que você esteja necessariamente em um grupo “fechado” com um carimbo de reconhecimento. Para ser “Anônimo”, basta ter o mesmo objetivo e contra a filosofia “injusta” e apenas ser … “Anônimo”! “Anônimo” não é por acaso. Eles não nos conhecem, é para onde eles apontam. “Anônimo” no exterior é uma frase que é mal usada por muitos – e talvez por mim. “Anônimo” não é dividido por fronteiras, nacionalidades, religiões ou cores … Sim, e aqui há cooperação.

O que o Anonymous considera ativismo eletrônico?

Para mim, um ativista é aquele que reage a algo objetivamente injusto, independentemente da posição política. Então, sim, eu me considero um ativista.

O que torna um hacker confiável e o separa de uma criança que conhece muito bem a Internet e apenas quebra as senhas para se divertir?

Motivação e pensamento correto, principalmente. Manter documentos ministeriais e acordos da empresa em sua posse antes de serem feitos; ou seja, a partir do momento em que as propostas são elaboradas, não é um jogo.

Você vai em marchas?

Embora não esteja em protesto público, não tenho nenhum problema em particular. Eu só tenho mais a oferecer a partir daqui.

Você atua em grupos ou individualmente?

Há um problema aqui. “Não somos o exército pessoal de ninguém”, diz o Anonymous em todo o mundo. E eles estão certos. Trabalhamos para o despertar comum e não para alguém que queira ler os e-mails de sua esposa. Pessoalmente, porém, trabalho sozinho, porque às vezes os objetivos são “sutis”. Por exemplo, quando e se for uma meta do estado, pense que o que vemos tem potencial para ser visto por qualquer pessoa de qualquer lugar. Isso não é mágico?

Podemos esperar algo?

Já decepcionamos você? Não tente, você não receberá “dicas” … Tudo e tudo é cozinhado na vila da Galácia τέλος Até o final de fevereiro, eu acho.

Fonte: ethnos.gr