Terremoto no Japão, suspensão de 25% da produção global de semicondutores

O terremoto no Japão interrompeu as operações em duas das maiores fábricas de silício do mundo. Juntos, eles produzem 25% do silício necessário para a produção global de semicondutores / chip, que já está começando a causar escassez significativa de matérias-primas em grandes fábricas que fabricam circuitos de memória.

Problema no Japão

Especificamente, a fábrica de Shirakawa, da Shin-Etsu Chemical, é responsável por 20% da produção mundial de semicondutores de silício, que são então usados ​​para fazer circuitos de memória Flash e DRAM. A segunda menor fábrica, a MEMC Electronic Materials, que responde pelos 5% restantes da produção de semicondutores, foi abandonada logo após o terremoto, pois estava em uma área muito perigosa e não se sabe quando será a reabertura.

No setor de tecnologia em geral, mais duas grandes fábricas, Mitsubishi Gas Chemical Company e Hitachi Kasei Polymer, responsáveis ​​pela produção de uma matéria-prima necessária usada em 70% das placas eletrônicas, foram forçadas a desligar e retomar. esperado em cerca de duas semanas.

Ao mesmo tempo, dezenas de outras empresas estão enfrentando problemas semelhantes, com a bem conhecida Fujitsu anunciando que levará três ou até quatro semanas para reabrir.

O golpe no Japão foi devastador, pois além de milhares de mortes, ele agora precisa superar enormes problemas econômicos e industriais.

Fonte