Tecnologia a serviço das pessoas com deficiência visual

tromaktiko3617 Por um longo tempo, os cegos não conseguiram fazer muito com as telas No entanto, agora, com programas inteligentes e chips especiais, as possibilidades são muitas.

Eles oferecem cadernos digitais, calendários, e-mail. Estes são apenas alguns dos shareware de definição de objetivos que você pode usar. <…>

os chamados smartphones e, para muitos, é uma ferramenta de trabalho diária.

Mas uma categoria de pessoas, pessoas com deficiência visual, não teve acesso até o momento. Os smartphones geralmente não têm teclados, mas uma tela de toque e, portanto, as práticas usuais até o momento não puderam ser aplicadas.

Mas isso está mudando lentamente. Um novo aplicativo chamado Mindtag garante que os cegos tenham acesso aos novos recursos. Esse aplicativo funciona como um tipo de remetente. Reconhece etiquetas especiais em itens elétricos, quadros de informações, placas. Ele lhes dá uma voz. A idéia para esta aplicação veio do advogado Erich Turmer, que é quase cego. Tem apenas 1% da sua visão.

Sua aplicação o ajuda a encontrar a roupa certa todas as manhãs. Para conseguir isso, ele passa o celular pelas etiquetas de roupas. A técnica por trás disso é chamada Near Field Communication. Especialistas dizem que é uma tecnologia simples. Funciona mais ou menos como um código de barras em vários produtos. No entanto, graças ao aplicativo adicional, o Mindtag não apenas mostra o texto e as informações escritas, mas também ativa o som: de livros e CDs a museus e pontos de ônibus

Mas esses chips NFC têm outra vantagem. Eles podem ser colocados em adesivos, botões e cartões e podem ser sentidos com muita facilidade com o toque. Outros itens, como livros, medicamentos, CDs, também podem ser colocados em uma pilha.

E não é só isso. Este chip não se limita ao uso privado. Os museus alemães também demonstraram grande interesse: em alguns, você já pode comprá-los por um euro. A socióloga Regina Franken Wendelstorf também quer usar essas possibilidades.

Trabalhando no famoso Museu Pergamon, em Berlim, ela quer transferir entrevistas, filmes e ofertas especiais diretamente dos espaços de exibição para pessoas com deficiência visual. Os visitantes poderão sentir que estão na própria Babilônia, acredita o pesquisador alemão. E não é só isso, esses chips também podem ser usados ​​em locais públicos. Dos aeroportos aos pontos de ônibus.

Os aplicativos são ilimitados com a nova tecnologia e a vida das pessoas com problemas de visão pode ser facilitada.

Fonte: tro-ma-ktiko.blogspot.gr