TCL Plex e além: a gigante chinesa pronta para conquistar a Europa

A IFA 2019 marcou um ponto de virada importante para o TCL. A gigante chinesa, depois de conquistar constantemente o mercado interno, estå de fato pronta para dar sua opinião na Europa. Portanto, não é mais um fabricante simples para terceiros, mas uma marca que pode se tornar reconhecível. Afinal, estamos falando de uma empresa que atua hå anos no setor de TV na China, com um poder econÎmico que pode realmente fazer a diferença de nossa parte.

Nesse contexto, o TCL Plex deve ser lido. É o primeiro smartphone com a marca TCL, caracterizado por especificaçÔes muito interessantes em relação ao preço de venda. De fato, Ă© baseado no processador Snapdragon 675, combinado com 6 Gigabytes de RAM e 128 Gigabytes de memĂłria interna. CĂąmera traseira tripla (sensor principal de 48 megapixels), tela Full HD de 6,53 polegadas, bateria de 3.820 mAh com carga rĂĄpida Quick Charge 3.0, sensor biomĂ©trico para reconhecimento de impressĂ”es digitais. Tudo por 329 euros, nada mal, pelo menos no papel.

Como jå vimos pessoalmente, A TCL esteve presente na IFA com uma posição decididamente impressionante, onde ele colocou todas as suas cartas em exibição. Entre estes, os televisores desempenham um papel de liderança absoluto nos negócios da empresa. Durante a feira alemã, o gigante de Huizhou anunciou as TVs das séries X81 e EC78. O primeiro consiste em dois modelos: o 55X815 de 55 polegadas e o 65X815 de 65 polegadas. Sua peculiaridade consiste no uso do Quantum Dot On Glass (QDOG), praticamente no lançamento nesta categoria de dispositivos, após o lançamento em alguns monitores HP.

O uso de QDOG, disposto dentro de uma placa de vidro, permite reduzir significativamente a espessura das televisÔes. De fato, vistos ao vivo, os dois modelos mencionados são realmente muito sutis. O primeiro impacto na qualidade dos painéis é decididamente positivo, afinal o TCL os faz em casa, compartilhando alguns centros de produção com a LG e a Samsung. Em suma, o know-how parece ser tudo.

Quanto Ă  sĂ©rie EC78, tambĂ©m oferece um modelo de 65 e 55 polegadas. Estes sĂŁo sempre painĂ©is LCD Ultra HD, mas sem a tecnologia Quantum Dot. Obviamente, hĂĄ suporte para todos os formatos HDR, e uma barra de som Onkyo estĂĄ integrada ao corpo das televisĂ”es. Este Ășltimo caracteriza praticamente todas as novas TVs TCL, uma parceria muito interessante.

Por fim, o verdadeiro destaque do TCL Ă©, sem dĂșvida, a tecnologia Mini LED, integrada nos televisores pertencentes Ă s sĂ©ries X e X10. O primeiro envolve diagonais de 65, 75 e 85 polegadas. Todos caracterizados por um brilho mĂĄximo de 1200 cd / m2-lĂȘndeas, eles suportam Dolby Vision e HDR10 +, alĂ©m de, claro, HDR10 e HLG.

Em vez disso, a sĂ©rie X10 um Ășnico modelo de 65 polegadas, tambĂ©m com a tecnologia QLED Direct Mini LED. O painel LCD Ultra HD de 100 Hz Ă© iluminado por 15.360 LEDs e hĂĄ um pico de brilho de 1.500 cd / m2-lĂȘndeas com um volume de cores igual a 100% do espaço de cores DCI-P3. NĂŁo hĂĄ falta de suporte para HDR10, HLG, HDR10 + e Dolby Vision.

Todas as novas TVs TCL são baseadas na Android TV e integram o Google Assistant, completo com um controle remoto dedicado. Preços agressivos: entre 2.600 e 2.700 euros para Mini LEDs, enquanto os Quantum DOTs variam entre 699 e 999 euros. A bola agora vai para o mercado, mas a sensação é de que a empresa chinesa tem o que é preciso para avançar.