Spotify contra Apple e Amazon, a guerra do streaming

Spotify, Deezer e outros serviços de streaming de música que operam na Europa contra Apple e Amazon. A Digital Music Europe, ou a aliança que une essas plataformas, enviou uma carta a Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia. A lógica era relatar uma competição injusta hipotética dos dois gigantes dos EUA.

A notícia foi noticiada pelo Financial Times, nos termos do qual Daniel Ek (cofundador da Spotify) e Hans-Holger Albrecht (CEO da Deezer) convidaram a Comissão Europeia a garantir condições justas no mercado de streaming de música em relação a certas plataformas que, de fato, abusariam regularmente de suas posições privilegiadas.

daniel ek ceo spotify maio 2015 outdoor 650
Daniel Ek

O exemplo trazido pelo Spotify refere-se à Apple. De fato, parece que, quando um usuário decide comprar os serviços premium da plataforma de streaming de música através da App Store, a empresa Cupertino retém 30% das comissões, ganhando-a independentemente.

Leia também: Spotify, 0,99 euro por 3 meses de assinatura Premium

Tudo sem esquecer como, Apple e Amazon, têm seus próprios serviços de streaming de música. Isso, de acordo com a acusação apresentada pela Digital Music Europe, colocaria editores (e também desenvolvedores de jogos) em desvantagem quando os usuários comprassem nas lojas dos dois gigantes dos EUA.

música de maçã

Uma batalha, essa de streaming de música, que já se arrasta há algum tempo. O convite para a Comissão Européia já havia chegado no ano passado do Spotify, Deezer e outras empresas focar a lupa nas políticas adotadas pelas grandes empresas de alta tecnologia em suas respectivas lojas de aplicativos.

Além disso, é impossível não se referir à operação realizada pela Apple há dois dias. A empresa Cupertino adquiriu de fato o Shazam, como relatamos em nosso artigo anterior. Entre as várias razões que levaram a Apple a essa mudança, há claramente a de querer explorar a base de usuários do aplicativo em questão em relação à Apple Music.

maçã shazam

Uma motivação que, como hipotetizamos, poderia ter repercussões em comparação com os serviços de streaming concorrentes. De fato, não está excluído que o Shazam possa, no futuro, direcionar todas as pesquisas para Apple Music e iTunes, excluindo Spotify, YouTube e todas as outras. Uma hipótese não confirmada oficialmente, mas isso ainda representa um cenário provável. Nesse sentido, veremos o que acontecerá nos próximos meses.

Leia também: Apple adquire Shazam, mas por quê?

De qualquer forma, está claro como a batalha no setor de streaming de música está se preparando para entrar no ar. A própria União Européia, em junho, prometeu uma intervenção para regular as relações entre desenvolvedores de aplicativos e empresas que vendem produtos e serviços por meio de plataformas proprietárias.

Herói de lançamento no Reino Unido DM MU0001 UP 1500x600 CB511266863

A lógica é evidentemente a de conseguir equilibrar o mercado, fornecendo indicações precisas para os grandes nomes da alta tecnologia. O sentimento, no entanto, é que todo o setor está prestes a sofrer uma grande mudança, todos esperando que a Apple e a Amazon se oponham às acusações feitas pela Digital Music Europe.