Sony, trabalhadores da divisĂŁo de smartphones cortados pela metade em 2020?

A crise tambĂ©m afeta a Sony que, apĂłs a primeira rodada de demissĂ”es em 2015 e que afetou cerca de mil vagas, estaria pronto para reduzir pela metade o nĂșmero de trabalhadores na divisĂŁo de smartphones. O portal leste relata as notĂ­cias asia.nikkei, sempre perto dos assuntos internos da Sony. O relatĂłrio revela os detalhes da prĂłxima e dolorosa manobra da empresa japonesa, dizendo quais sĂŁo as razĂ”es por trĂĄs dessa decisĂŁo.

A Sony teria decidido reduzir sua força de trabalho por dois motivos principais: o primeiro é reduzir custos, o segundo estå intimamente ligado à saturação do mercado de smartphones e planeja remediar a redução nas vendas unitårias. De 4.000 trabalhadores, com toda a probabilidade, para 2000, um forte corte que deve se materializar completamente até março de 2020 passarå.

Detalhe na cĂąmera tripla.

Diante do grande nĂșmero de demissĂ”es, a Sony teria estudado soluçÔes alternativas que permitiriam que os funcionĂĄrios continuassem trabalhando. O primeiro envolve a migração de trabalhadores japoneses para outras divisĂ”es, a segunda opção seria oferecer um forte incentivo em face da aposentadoria voluntĂĄria antecipada de funcionĂĄrios em locais da Europa e do Leste. A Ășltima opção, tambĂ©m contemplada em outras ocasiĂ”es pela Sony, veria uma restrição nas vendas de celulares para concentrar energia nos mercados da Europa e do Leste AsiĂĄtico.

Os analistas prevĂȘem uma queda drĂĄstica nas vendas, com dados que cairĂŁo pela metade em relação a 2017 (6,5 milhĂ”es de unidades).