Smartphone, chega a tela que se repara

Um smartphone com tela de auto-regeneração. Parece quase ficção científica, mas é o resultado de pesquisa realizada da Universidade da Califórnia, precisamente na Faculdade de Química no campus de Riverside. Foi criado um material específico que poderia reescrever o saldo de todo o mercado de reparos.

O material em quest√£o consiste em uma pol√≠mero extens√≠vel combinado com um composto i√īnico. Possui uma liga√ß√£o qu√≠mica espec√≠fica chamada intera√ß√£o √≠on-dipolo, que descreve as intera√ß√Ķes que surgem entre um √≠on e uma mol√©cula polar. Em termos pr√°ticos, quando o material quebra ou √© arranhado, os dois elementos se atraem para repar√°-lo.

Chao Wang
O experimento de corte de material

Chao Wang, um dos professores à frente da equipe de pesquisa explicou como, em um dos experimentos realizados, o material foi literalmente dividido ao meio e depois recomponha-se em menos de 24 horas, podendo aumentar seu tamanho original em até 50 vezes. Um resultado verdadeiramente relevante.

No entanto, o que torna esse material adequado para uso em telas de smartphones √© sua capacidade de conduzir eletricidade. Nesse sentido, vale lembrar o que foi alcan√ßado por LG com o G Flex, primeiro smartphone com vidro de tela curvo e parcialmente flex√≠vel. Nesse caso, a empresa sul-coreana aplicou um tratamento realizado com nanotecnologias na contracapa, capaz de se auto-regenerar em caso de pequenos arranh√Ķes.

Lg G Flex
LG G Flex

O material usado por LG no entanto, ele não pode conduzir eletricidade e, portanto, não foi possível aplicá-la ao painel frontal do G Flex. Além disso, a operação das telas sensíveis ao toque capacitivas é baseada no circuito criado entre a grade de eletrodos e o dedo do usuário, que de fato desempenha a função de um condutor real.

“A aplica√ß√£o concreta de materiais de autocura no mercado hoje parece pertencer a um futuro distante. No entanto, essa √© uma realidade que, em breve, ter√° uma enorme difus√£o no dia a dia de cada um de n√≥s, mudando efetivamente nossas vidas.” “ele declarou Wang.

American Chemical Society
A sede da Sociedade Americana de Química

A equipe exibirá sua pesquisa com resultados amanhã, 4 de abril, no o ACS (American Chemical Society), a maior organização científica do mundo ativa no estudo da química. A resposta desta reunião será fundamental para a aplicação efetiva no campo prático deste material, que Chao Wang espera poder se integrar aos smartphones até 2020.

Com a expansão exponencial dos telefones celulares com toque total, foi gerado um verdadeiro mercado paralelo, vinculado precisamente aos reparos dos displays, principalmente em relação aos painéis de vidro. Tecnologias como a Copo de gorila do Corning hoje eles representam um fator adicional para os usuários na fase de compra.

copo de gorila
Vidro de gorila da Corning

Uma situação que pode mudar radicalmente com a disseminação desse material de autocura. Portanto, será muito interessante verificar sua evolução real, a fim de entender se ele pode se espalhar de maneira capilar, mudar radicalmente a mesma abordagem de uso do usuário em comparação com o seu smartphone.