Samsung Galaxy Note 7, as explosÔes são culpa do design?

Instrumental, empresa especializada em identificar problemas relacionados Ă  manufatura industrial, analisou uma Galaxy Note 7 e concluiu que os incĂȘndios foram causados ​​por um design excessivamente agressivo do corpo e da bateria, para maximizar a capacidade do Ășltimo, mantendo a espessura do primeiro baixa. Uma escolha arriscada e arriscada que em retrospectiva, ela era uma perdedora.

DSC 0864
O Galaxy Note 7 nos laboratĂłrios instrumentais

De fato, essa hipĂłtese jĂĄ havia sido divulgada imediatamente apĂłs a retirada definitiva do phablet sul-coreano e, portanto, agora foi confirmada novamente por outra fonte confiĂĄvel, como a Instrumental. No entanto, lembre-se de que, como autoritĂĄrio, a opiniĂŁo permanece assim na ausĂȘncia de confirmação oficial Ă© Samsung ainda nĂŁo se manifestou sobre o incidente. AtĂ© entĂŁo, portanto, nĂŁo hĂĄ conclusĂ”es definitivas sobre o que aconteceu.

Leia também: Galaxy Note 7, de falha épica a ameaça ambiental?

A suposição de instrumental Ă©, portanto, que, para manter uma espessura fina e ao mesmo tempo aumentar a autonomia do dispositivo em relação ao modelo anterior, apesar do hardware mais poderoso, recorremos a baterias de polĂ­mero de lĂ­tio de rolo de gelĂ©ia. É um tipo de bateria na qual o eletrodo positivo Ă© formado por uma camada de Ăłxido de cobalto e lĂ­tio e o negativo por uma de grafite, intercalada com um separador de polĂ­mero embebido em eletrĂłlito. As folhas correm por todo o perĂ­metro da bateria, aumentando sua capacidade sem afetar sua espessura. A desvantagem Ă© que os eletrodos estĂŁo praticamente em contato, separados apenas por uma camada polimĂ©rica muito fina.

1480983219 captura de tela 2016 12 05 em 4 12 26 pm

Isso significa que na menor deflexão, o separador pode falhar, fazendo com que o ùnodo e o cåtodo se toquem, descarregando a energia no eletrólito, com um aumento de temperatura que geralmente leva a uma explosão. Não é necessårio muito, apenas a tensão à qual qualquer smartphone estå sujeito, por exemplo, colocado no bolso de trås da calça.

Leia também: Adeus Galaxy Note 7, longa vida aos sete magníficos

Os engenheiros da Samsung, cientes dessa escolha extrema, tentaram proteger a bateria o mĂĄximo possĂ­vel, colocando-a em uma carcaça interna do corpo de alumĂ­nio, usinada a partir de sĂłlidos por mĂĄquinas CNC, um processo caro que tinha o Ășnico objetivo de impedir aplicando pressĂŁo, outros componentes internos entraram em contato com a bateria.

Em suma, a Samsung teria feito uma aposta e deu errado. A busca pelo resto é essa: sempre tente superar os limites anteriores com novas soluçÔes, geralmente arriscadas, mas que, se forem bem-sucedidas, se tornarão geniais. Nesse caso, no entanto, eles se transformaram em um fracasso colossal que custou uma fortuna. O que outras pessoas estão dizendo