Rede 5G – Existem riscos para a sa√ļde?

A crescente ado√ß√£o e uso da rede m√≥vel 5G levou a perguntas sobre se essa tecnologia representa um risco √† nossa sa√ļde. Ent√£o, quais s√£o as preocupa√ß√Ķes que est√£o sendo expressas e existem evid√™ncias suficientes para apoi√°-las?

Como nas tecnologias celulares anteriores, as redes 5G são baseadas em sinais transmitidos por ondas de rádio, ou seja, raios que fazem parte do espectro eletromagnético e que são transmitidos entre transmissores (antenas) e telefones.

Basta colocar; Estamos cercados por radiação eletromagnética o tempo todo. Desde os sinais de televisão e rádio que nos cercam o tempo todo, de infinitas formas de tecnologia emissora de radiação, incluindo telefones celulares, a fontes naturais, como a luz solar.

De acordo com uma pesquisa da BCC, listada abaixo, o 5G usa ondas de frequência mais altas do que as redes móveis anteriores, permitindo que mais dispositivos acessem a Internet simultaneamente e em velocidades mais altas.

Quando n√£o falamos de cidades, essas ondas percorrem dist√Ęncias menores devido a obst√°culos naturais; portanto, as redes 5G exigem mais transmissores, em compara√ß√£o com as tecnologias anteriores, colocadas mais pr√≥ximas do n√≠vel do solo, ainda mais pr√≥ximas de n√≥s.

Com base no exposto, a radia√ß√£o eletromagn√©tica usada pelas tecnologias de telefonia m√≥vel, especialmente no n√≠vel urbano, levou a uma crescente preocupa√ß√£o com os riscos √† sa√ļde que ela pode representar, incluindo o desenvolvimento de certos tipos de c√Ęncer.

Vejamos alguns fatos. Em 2014, a Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde declarou que “n√£o h√° evid√™ncias de efeitos adversos √† sa√ļde decorrentes do uso de telefones celulares”. No entanto, a ag√™ncia, como a Ag√™ncia Internacional para Pesquisa do C√Ęncer (IARC), classificou toda radia√ß√£o de radiofrequ√™ncia (da qual os sinais m√≥veis fazem parte) como “possivelmente cancer√≠gena”. Pelo contr√°rio, o consumo de picles e o uso de talco s√£o caracterizados como produtos com o mesmo n√≠vel de risco. Bebidas alco√≥licas e carnes processadas s√£o classificadas como alimentos de maior risco.

Mas vamos olhar para outro fato interessante e controverso: um relat√≥rio de toxicologia divulgado em 2018 pelo Departamento de Sa√ļde dos EUA descobriu que alguns ratos machos expostos a altas doses de radia√ß√£o por radiofreq√ľ√™ncia desenvolveram um tipo de tumor cancer√≠geno no cora√ß√£o.

Como parte deste estudo, os ratos foram expostos √† radia√ß√£o de telefones celulares por nove horas por dia, todos os dias durante dois anos, antes mesmo de nascerem. No entanto, as f√™meas estudadas n√£o desenvolveram carcinomas. Al√©m disso, os ratos que foram expostos √† radia√ß√£o e n√£o desenvolveram c√Ęncer viveram mais do que o resto do grupo controle.

No entanto, como os especialistas apontam, a exposição dos animais à radiação não é proporcional à exposição que os humanos têm ao usar um telefone celular.

De qualquer forma, a gama de ondas de r√°dio usada nas redes m√≥veis √© n√£o ionizante, o que significa que elas n√£o t√™m energia suficiente para quebrar o DNA e causar danos √†s c√©lulas, diz David Robert Grimes, f√≠sico e pesquisador de c√Ęncer.

√Ä medida que aumentamos as frequ√™ncias no espectro eletromagn√©tico, muito al√©m das frequ√™ncias usadas pelos telefones celulares, h√° riscos claros √† sa√ļde decorrentes da nossa extensa exposi√ß√£o a eles. Os raios ultravioleta do sol se enquadram nessa categoria prejudicial e podem levar a c√Ęncer de pele. Existem diretrizes estritas para a exposi√ß√£o a n√≠veis ainda mais altos de radia√ß√£o energ√©tica, como raios X e raios gama, os quais podem levar a efeitos nocivos no corpo humano.

“As pessoas est√£o preocupadas com o aumento do risco de c√Ęncer, mas √© importante observar que as ondas de r√°dio s√£o muito menos ativas do que a luz vis√≠vel que sentimos todos os dias”, afirmou. Grimes.

“N√£o h√° evid√™ncias confi√°veis ‚Äč‚Äčde que nossos telefones celulares ou redes sem fio tenham causado problemas de sa√ļde”, disse ele.