Proteger somente o computador fechado

sfakianakis “NĂŁo há espaço privado na Internet”, explica o policial experiente e dá conselhos sobre o que os usuários da Internet devem prestar atenção

Entrevista com Maria Psara

Há alguns anos, em um país estrangeiro, a Polícia foi chamada para lidar com o assassinato de um paciente que, devido ao diabetes <…>

O diabetes foi tratado em um hospital do país. A polícia de motim invadiu uma manifestação na sexta-feira, retirando centenas de manifestantes de caminhão, enquanto a polícia de motim atacou uma manifestação na sexta-feira, removendo centenas de manifestantes de caminhão.

“O crime tradicional está se movendo na Internet”, explica o chefe da acusação de crimes cibernĂ©ticos, Manolis Sfakianakis. Em entrevista ao FORUM, o experiente diretor adjunto da polĂ­cia afirmou que “nĂŁo há” espaço “privado na Internet”, insistindo que “NĂŁo exorcizamos a Internet, mas sabemos as regras”.

Sr. Sfakianaki, existe segurança na Internet, afinal?

Os conceitos são sempre relevantes. Não há segurança absoluta na Internet. Costumamos dizer que um computador seguro é apenas um computador fechado. E é verdade. Explicitamente e categoricamente.

Embora o cibercrime não tenha fronteiras, quais são as suas formas mais comuns na Grécia?

Estamos preocupados principalmente com pornografia infantil, cyberbullying, mas tambĂ©m com fraudes, como as alegadas “vitĂłrias” nas loterias e ofertas de fraudadores.

itsecurity

AlĂ©m disso, existem muitos crimes financeiros que enfrentamos, como “invasões” em contas pessoais e violações dos cĂłdigos de segurança do cartĂŁo de crĂ©dito. AlĂ©m disso, muitas vezes existem crimes morais e crimes de cibersegurança, como a interceptação de conversas.Crimes muito importantes e atĂ© criminais sĂŁo aqueles cometidos atravĂ©s das redes sociais. Estamos falando de chantagem, calĂşnia atravĂ©s de blogs anĂ´nimos, ameaças.

No que um usuário da Internet deve prestar atenção para não ser vítima? Existem sinais?

Antes de tudo, é bom ter em mente que o que lemos não é necessariamente verdadeiro. As informações são escritas por pessoas que cometem erros, que podem servir a expedições, que podem estar blefando. Portanto, um conselho básico é editar o que lemos, riscar e depois acreditar.

Por outro lado, alĂ©m do que lemos, devemos prestar atenção ao que escrevemos. O que alguĂ©m poderia escrever sobre “havale” aos 18 anos, talvez aos 35 anos, seria um bumerangue para ele em uma entrevista, por exemplo, que ele poderia ter por razões comerciais. Nada Ă© excluĂ­do na Internet e Ă© possĂ­vel que uma empresa ou pessoa mal-intencionada mantenha um “memorando oculto”, que será restaurado no horário esperado.

AlĂ©m disso, nas redes sociais, Ă© bom nĂŁo colocar informações sobre nĂłs, como quando estamos longe de casa, onde exatamente moramos, quando vamos de fĂ©rias, porque, por exemplo, um ladrĂŁo pode aproveitar a oportunidade e saber quando a casa está vazia. Finalmente, um conselho básico Ă© nunca publicar informações pessoais, fotos nossas ou de nossos filhos, nossos telefones. E, em geral, o que nĂŁo queremos vazar, Ă© bom nĂŁo “carregá-lo” na Internet.

No “universo” digital, existe privacidade?

Na Internet, nĂŁo há “espaço” privado. Sim, podemos parecer que, com senhas e outras precauções, estamos seguros. E tambĂ©m na Internet nĂŁo há lugar para espaço em branco…

O conhecimento economiza

Qual Ă© a maneira de nos proteger?

Para ter proteção relativa, Ă© preciso, acima de tudo, estar ciente da Internet: o que Ă©, como funciona, quais sĂŁo seus limites. Ele nĂŁo deveria, por exemplo, se emocionar com “coisas boas e baratas”, com rostos bonitos.

O que brilha não é ouro. É por isso que nossa maneira de nos proteger é conhecer as regras básicas da Internet. Como serviço, ensinamos mais de 200.000 crianças a segurança online.

Esta é uma ação inovadora. Toda sexta-feira, por duas horas, nos conectamos via Internet aos anfiteatros da escola e conversamos com as crianças sobre os perigos e regras da Internet. Porque acreditamos que o conhecimento é a prevenção para limitar as vítimas do crime cibernético.

Suicídios Já salvamos 640 pessoas

Há também o outro lado da moeda… Você pode encontrar e salvar candidatos auto-nomeados pela Internet…

De fato, até o momento, salvamos 640 pessoas do suicídio. De fato, 72 deles foram levados para a unidade de terapia intensiva. Em outras palavras, se EL.AS. não tivesse desenvolvido essa especialidade, 72 pessoas estariam mortas. O fato de os usuários da Internet acreditarem que estão cobertos por sigilo os faz confessar seu interior. Esses gritos interiores de suas almas, os gritos de desespero, ouvimos e corremos imediatamente para salvá-los.

VocĂŞ acha que devemos nos livrar da Internet?

Consideramos boa a disseminação da Internet, mas deve haver limites para os filhos e o controle dos pais. Nosso lema Ă©: “Sim na Internet e nĂŁo morda!”.

No entanto, os pais precisam ter cuidado com o que seus filhos fazem na Internet. Antes de instalar o computador em casa, eles devem ter concordado com as crianças que não serão incomodados por mais de uma hora e meia por dia, pois o vício começa. O computador deve estar à vista do público e não no quarto da criança, atrás de uma porta fechada, para que a criança sinta que a qualquer momento os pais podem controlá-lo. Finalmente, os pais devem bloquear sites com jogos, sexo e violência, bem como salas de bate-papo, a fim de impedir que a criança visite esses sites.

Ele disse: Nas redes sociais Ă© bom nĂŁo colocar dados que nos preocupam. NĂŁo há espaço para cobertores na Internet. Nada desaparece …

Fonte: ethnos.gr