Projeto de lei fascista na Itália: eles cortaram sua Internet por causa de uma reclamação!

O governo italiano est√° se preparando para aprovar uma lei draconiana para os “infratores” da Internet, o que √© surpreendente por seu rigor, mas tamb√©m pelas percep√ß√Ķes completamente antidemocr√°ticas (para n√£o dizer “fascistas”) que a governam. J√° existe uma s√©ria quest√£o da validade dessa lei, pois ela entra em conflito com meia d√ļzia de diretivas europ√©ias, mas tamb√©m com essas resolu√ß√Ķes da ONU, que oficialmente decidiram que o acesso √† Internet √© um direito humano.

Os artigos em quest√£o est√£o resumidos da seguinte forma:

1) os cidad√£os, fora de qualquer processo judicial e sem o direito de recorrer √† autoridade judicial, podem ser impedidos de acessar a Internet se algu√©m (o benefici√°rio ou um cidad√£o comum) informar o provedor de uma suposta viola√ß√£o de direitos autorais ou uma marca comercial ou patente. Em outras palavras, temos a pr√°tica de “espancar”, sem uma proibi√ß√£o direta, sem sequer dar uma chance ao arrependimento!

2) Os provedores de servi√ßos da Internet devem cumprir a compila√ß√£o de uma lista negra (!) De cidad√£os “suspeitos” de viola√ß√£o de direitos autorais, marcas comerciais ou patentes e proibir esses cidad√£os de acessar a Internet.

3) Um provedor de serviços da Internet deve usar filtros de precaução contra serviços que supostamente violam direitos autorais, marcas comerciais ou patentes.

4) um provedor de serviços da Internet não deve favorecer ou anunciar, e deve usar filtros de precaução contra um serviço que não infrinja, diretamente, direitos autorais, marcas comerciais ou patentes, mas (aqui está o topo!) levar os cidadãos a pensar que existem serviços ilegais !!!.

5) o provedor ou provedor de hospedagem que não usar filtros eficazes será responsabilizado por responsabilidade civil Рem outras palavras, será encontrado nas fezes…

√Č interessante ver o desenvolvimento deste caso, j√° que a Fran√ßa e a Nova Zel√Ęndia j√° decidiram adotar legisla√ß√£o dos “tr√™s golpes”, isto √©, desconex√£o da conex√£o com um terceiro crime. Mas em que s√©culo finalmente vivemos?

Fonte: unregistered.gr