Processo criminal cibernético reconhece nova pirataria de serviços de satélite de assinantes

Outro caso de “pirataria” de serviços de assinatura por satélite, identificado pela Polícia Financeira e pelo Ministério Público de Crimes Cibernéticos

Foi apresentado um caso contra um cidadão de 49 anos, em cuja casa foi encontrado equipamento eletrônico.<…>

para a distribuição ilegal de um sinal de televisão

A “distribuição” do sinal de TV dos serviços de assinatura foi feita através de um servidor de satélite da Web, para um grande número de usuários da Internet.

Outro caso de “pirataria” dos serviços de assinatura via satélite foi identificado pela Polícia Financeira e pelo Ministério Público de Crimes Cibernéticos, na área de Vari, Ática.

Foi instaurado um processo por fraude contínua e por violação das disposições da legislação sobre proteção de serviços de assinatura e propriedade intelectual, em detrimento de um cidadão de 49 anos de idade, residente na área específica em cuja casa foi encontrado equipamento eletrônico completo, que ele usou por sua atividade ilegal.

A investigação do caso começou depois que um processo foi instaurado na Sub-Diretoria de Processamento de Crimes Cibernéticos por um advogado que representa uma empresa anônima que fornece mídia eletrônica. O processo dizia respeito à “pirataria” via satélite dos serviços prestados pela empresa, através da distribuição ilegal de seu sinal de televisão a um grande número de “assinantes”.

A investigação policial online, realizada no contexto do levantamento do sigilo das comunicações, identificou o envolvimento de uma pessoa específica e verificou seus traços eletrônicos.

Em conjunto com a pesquisa digital, constatou-se que o jogador de 49 anos, desde setembro de 2012, lançou um decodificador de satélite de rede – servidor (servidor), no qual instalou software ilegal e “compartilhou”, via Internet, “chaves” eletrônicas de decodificação – decodificação para os serviços de assinatura de um conjunto de canais de TV, para usuários que possuam, respectivamente, dispositivos especiais de decodificação digital por satélite.

Uma busca foi realizada ontem de manhã por policiais da Sub-Diretoria de Promotoria do Crime Cibernético, em sua casa no subúrbio de Attica, na presença de um Promotor Público. , oferecendo a possibilidade de visualização ilegal de canais de inscrição.

Além disso, foram confiscados:

  • Uma (1) unidade central de computador
  • Um (1) roteador modem-roteador e
  • Dois (2) discos rígidos externos para armazenamento
  • A evidência digital confiscada foi enviada aos laboratórios forenses para os testes laboratoriais necessários.

    O caso contra o homem de 49 anos será submetido ao Ministério Público de Atenas.