Os usuários de smartphones são negligentes em termos de segurança

SmartphoneTrês em cada dez usuários são mostrados para não “bloquear” o dispositivo Smartphone que eles usam. A pesquisa mostra que 29,3% não bloqueiam o telefone ou a tela. A grande maioria, 55,3%, usa um número PIN para travar, 12,5% usa impressões digitais e 3% usa detecção de rosto.

À medida que a ameaça à segurança da Internet aumenta e se intensifica, juntamente com a disseminação de dispositivos “inteligentes”, um grande número de usuários parece extremamente negligente nessa área.

De acordo com uma pesquisa na mídia social sobre o uso de smartphones pela ESET, apresentada no Mobile World Congress, agora cerca de 10% dos usuários pesquisados ​​perderam ou foram vítimas de roubo de seus dispositivos nos últimos 12 meses. Além disso, 29,3% não bloqueiam seus smartphones, enquanto cerca de 20% não fazem backup de seus dados.

De acordo com uma publicação relevante no site do SEPE, de acordo com os resultados da pesquisa, 19,7% dos usuários, de fato, não criam cópias de backup de seus dados. Há 35,7%, o que só acontece algumas vezes, com 19,9% afirmando que fazem backups diariamente, 14,7% semanalmente e 10% mensalmente.

A pesquisa mostra que 29,3% não bloqueiam o telefone ou a tela. A grande maioria, 55,3%, usa um número PIN para travar, 12,5% usa impressões digitais e 3% usa detecção de rosto.

De acordo com a ESET, uma das melhores maneiras de se proteger contra o acesso a redes comerciais, bem como a mensagens de email pessoais, é usar a certificação de fator duplo. Nesse ponto, a pesquisa também encontrou uma conclusão positiva, pois 64,9% dos entrevistados já usam a certificação para serviços on-line (por exemplo, através de mensagens de texto).

Isso pode ser especialmente importante para serviços como banco on-line, que são usados ​​por 53% dos entrevistados. Além disso, a pesquisa destacou a importância de proteger a “nuvem” dos usuários de smartphones, já que 26,9% usam apenas esses serviços em nuvem e 23,1% armazenam dados, localmente e na nuvem.

Fonte: naftemporiki.gr