Os smartphones da Apple e Samsung não emitem muita radiação, de acordo com a FCC

No final do verão, foram divulgadas informações, segundo as quais o iPhone 7 e o Galaxy S8, pertencentes à Apple e Samsung, respectivamente, emitem mais Radiação RF daquele permitido pela FCC. Em seu relatório, o Chicago Tribune afirma que a radiação detectada era o dobro da da Apple, enquanto no caso do S8 a radiação era cinco vezes maior do que a permitida. A FCC respondeu ao relatório do Tribune que lançaria sua própria pesquisa nos dois smartphones.

Para aqueles que não estão familiarizados, a Federal Communication Commission (FCC) é uma organização responsável pela regulamentação de setores como televisão e smartphones. Além disso, regula todas as comunicações, como cabos e satélites, bem como comunicações internacionais.

Hoje, a FCC anunciou os resultados de seus próprios testes com base em Fator de Absorção Especial (SAR). Esse fator mede a taxa de absorção de energia pelo corpo humano quando exposto à radiação de RF. Para seus testes, a FCC usou modelos de cabeça e corpo humanos que possuem o fluido. Tecido para simulação de tecidos (TSL).

Para esses testes, a Apple e a Samsung deram à FCC um total de quatro smartphones (iPhone 7, iPhone X, Galaxy S9, Galaxy J3), enquanto a Motorola forneceu o E5 Play e o G6 Play. No entanto, a FCC também comprou um iPhone XS, Galaxy S9, G6 Play e Vivo 5 Mini.

Os testes da FCC finalmente provaram que todos os smartphones produzidos menos radiação de RF do permitido. Para as medições, a FCC utilizou diferentes distâncias, dependendo do telefone, que variava entre 5 mm e 15 mm.

Embora o resultado seja negativo e não confirme o que o Chicago Tribune afirma, o escritório de advocacia FeganScott Ele processou a Samsung e a Apple, pedindo às duas empresas para cobrir a vigilância médica.