O token est√° se aposentando, o smartphone ser√° usado para a conta corrente on-line

A partir de 14 de setembro de 2019, voc√™ ter√° que usar seu smartphone em vez do token para acessar sua conta online e realizar opera√ß√Ķes como transfer√™ncias eletr√īnicas ou consulta do saldo. A “chave” ser√°, portanto, definitivamente aposentada, pois as institui√ß√Ķes de cr√©dito ter√£o que implementar os novos regulamentos europeus sobre pagamentos digitais contidos na diretiva “Psd2”. Uma pequena revolu√ß√£o no relacionamento entre bancos e clientes, com este √ļltimo, exigiu uma abordagem mais inteligente.

As raz√Ķes para a retirada do token est√£o em seu funcionamento intr√≠nseco. Na verdade, √© uma ferramenta que gera uma senha din√Ęmica (muda a cada 15-20 segundos), mas sem poder associ√°-lo a uma √ļnica opera√ß√£o, conforme exigido pela diretiva Psd2. Isso exp√Ķe o usu√°rio a poss√≠veis riscos de phishing, da√≠ a decis√£o das institui√ß√Ķes de cr√©dito de introduzir solu√ß√Ķes diferentes, eliminando definitivamente essa chave f√≠sica.

Essas solu√ß√Ķes mudar√£o de acordo com os bancos. Passar√° do c√≥digo duplo via SMS aos sistemas de autentica√ß√£o biom√©trica integrados nos smartphones (sensor de impress√£o digital ou reconhecimento de rosto), muito depender√° dos modelos e dos diferentes sistemas operacionais. No entanto, al√©m da op√ß√£o escolhida pelo Credit Institute, esses sistemas s√£o capazes de gerar senhas a serem associadas a uma √ļnica opera√ß√£o, melhorando a seguran√ßa do usu√°rio final e eliminando o risco de phishing.

As duas principais institui√ß√Ķes de cr√©dito italianas j√° avan√ßaram nessa dire√ß√£o. Em 4 de junho, de fato, Os clientes do grupo Intesa Sanpaolo poder√£o aderir ao sistema O-Key Smartou o novo servi√ßo para acessar sua conta online e gerenciar as v√°rias opera√ß√Ķes. Periodicamente, o cliente recebe uma notifica√ß√£o em tempo real em seu smartphone, com a opera√ß√£o que deve ser posteriormente autorizada pelos sistemas de autentica√ß√£o biom√©trica ou, alternativamente, inserindo um c√≥digo PIN. Como alternativa, quem n√£o possui um smartphone pode ativar o servi√ßo O-Key SMS, para o qual, no entanto, h√° um custo anual de 10 euros.

Discurso semelhante para o Unicredit, que no entanto iniciou esse processo de informatiza√ß√£o a partir de 24 de abril. O banco com sede na Piazza Gae Aulenti estruturou um novo m√©todo de acesso e valida√ß√£o de opera√ß√Ķes atrav√©s dos sistemas Unicredit Pass e Mobile Token, que geram senhas para uso √ļnico. Al√©m disso, a valida√ß√£o das opera√ß√Ķes ser√° introduzida nos pr√≥ximos meses por meio de uma notifica√ß√£o enviada ao aplicativo de smartphone Mobile Banking.

Em conclus√£o, A era da autentica√ß√£o forte do cliente (SCA) desejada pela Uni√£o Europeia est√° agora chegando. Obviamente, outras institui√ß√Ķes de cr√©dito j√° se alinharam ao Psd2, e muitas outras o far√£o nas pr√≥ximas semanas. Como dito na abertura, 14 de setembro de 2019 ser√° o prazo final, ap√≥s o qual os smartphones se tornar√£o centrais (ainda mais do que j√° s√£o) tamb√©m na experi√™ncia com os bancos.