O MIT construiu o primeiro veículo aéreo não tripulado

A Universidade de Massachusetts, o conhecido MIT, construiu o primeiro veículo aéreo não tripulado a usar ionização. Uma invenção que podemos ver aplicada a drones extremamente silenciosos e a aeronaves híbridas.

MIT

As aeronaves, transportando um motor de combustão interna que produz gases de escape ou um motor elétrico, não podem evitar a poluição sonora. Ou seja, o barulho. Isso ocorre porque eles voam com base em partes móveis que promovem o ar e, portanto, o próprio avião. Os pesquisadores do MIT, no entanto, estão revertendo uma história há quase 100 anos desde que os irmãos Wright voaram a primeira aeronave motorizada em 1903.

Pesquisadores do MIT constru√≠ram e lan√ßaram com sucesso uma aeronave j√īnica que n√£o usa componentes m√≥veis. A aeronave grande, com envergadura de 5 metros, pesa cerca de 5 kg e possui uma s√©rie de fios finos, que s√£o colocados como uma cerca horizontal ao longo e sob a extremidade frontal da asa do avi√£o. Os fios agem como eletrodos carregados positivamente, enquanto fios mais grossos dispostos de maneira semelhante, correndo ao longo da extremidade traseira da asa do avi√£o, servem como eletrodos negativos.

A fuselagem contém uma bateria de polímero de lítio. Máquinas especiais convertem a corrente da bateria em 40.000 volts, carregando positivamente os cabos.

Uma vez que os cabos são carregados positivamente, eles atraem e liberam elétrons carregados negativamente das moléculas de ar circundantes, como um imã gigante que atrai aparas de ferro. As moléculas de ar restantes são ionizadas e, por sua vez, atraídas pelos eletrodos carregados negativamente na parte de trás das asas do avião.

√Ä medida que a nuvem de √≠ons rec√©m-formada flui em dire√ß√£o aos fios com carga negativa, cada √≠on colide milh√Ķes de vezes com outras mol√©culas de ar, criando um impulso que empurra a aeronave para frente.

As aeronaves operadas pela J√īnica n√£o s√£o uma inven√ß√£o nova. A tecnologia existe h√° anos, mas at√© agora as m√°quinas estavam operando em um banco, pois eram limitadas pelos cabos que ligavam essas m√°quinas a fontes de alimenta√ß√£o de alta tens√£o. A solu√ß√£o aqui foi uma fonte de alimenta√ß√£o personalizada, alimentada por bateria, capaz de produzir a energia necess√°ria para um v√īo de 60 metros, bem como a dura√ß√£o do local de teste interno. Obviamente, em todos os testes n√£o houve ru√≠do, uma vez que n√£o h√° partes m√≥veis.

Ainda h√° um longo caminho a percorrer para ver essa tecnologia no c√©u. No entanto, a din√Ęmica desta inven√ß√£o √© √≥bvia. Certamente, em algum momento, voc√™ ver√° aeronaves muito silenciosas, como drones, que n√£o emitir√£o ru√≠dos irritantes. Tamb√©m poderia haver avi√Ķes h√≠bridos que poderiam melhorar a efici√™ncia de seu combust√≠vel. E, como n√£o existem partes m√≥veis, os avi√Ķes de propuls√£o j√īnicos poderiam ser mais confi√°veis ‚Äč‚Äčdo que seus equivalentes convencionais.

Assista ao vídeo relevante do MIT abaixo: