Nos 25 anos do Photoshop

O jornal britânico “The Guardian” apresentou ontem em sua edição online um tópico dedicado aos 25 anos do Photoshop.

Vista de bom humor, a música falou sobre os vários equívocos e mal-entendidos que foram criados de tempos em tempos pelos (milhões) de pequenas e grandes intervenções no mundo das imagens.

Além da diversão, é claro, estamos falando de um dos programas de computador mais importantes já criados. E isso não se deve a essas intervenções: as estrelas da indústria do entretenimento que parecem mais glamourosas do que são, os fotógrafos artísticos que agora passam mais tempo no computador do que na câmara escura ou os designers gráficos que “cortam e costuram” mil vezes. maior conforto do que no passado. É principalmente a maneira como vemos as fotos agora. Em suma, suspeitamos. A verdade da imagem, da fotografia, é inquestionável há décadas.

Obviamente, os conhecedores sempre tiveram “truques” para enganar ou enganar o espectador, mas seu potencial era limitado. Eles não podiam apresentar de forma convincente algo que nem estava lá.

Na era do Photoshop, por outro lado, um excelente conhecedor do programa pode realmente importar tudo e – o mais importante – deixar tão poucos traços que até os olhos mais experientes podem achar difícil detectá-los. Além disso, nos últimos anos, a tecnologia Photoshop se espalhou rapidamente no campo da animação, vídeo. Hoje vemos imagens na Internet, impressas e em outros lugares com o conhecimento “oculto” de que elas não correspondem totalmente à realidade. E isso, se pensarmos, é pelo menos estranho.

Fonte: kathimerini.gr