Nokia e Xiaomi, uma parceria para conquistar o mercado?

Nokia poderia complementar o SoC Surge S1 do Xiaomi nos seus próximos smartphones de gama média. É o que emerge de uma indiscrição do conhecido portal chinês de microblogs Weibo. Parece portanto, uma parceria que poderia se mostrar extremamente estratégica, com o objetivo de fortalecer as posições de mercado das respectivas empresas. Uma perspectiva que, entre outras coisas, abrangeria uma ampla gama de dispositivos.

Não é a primeira vez que fontes chinesas prevêem uma colaboração entre Nokia é Xiaomi. De fato, há algum tempo se fala da possibilidade de que este último adquira algumas patentes do primeiro na lógica de facilitar sua entrada nos mercados ocidentais. Uma possibilidade que, pelo menos até hoje, nunca se materializou.

Nokia surge s1

A fonte chinesa relata uma reunião que já ocorreu entre as duas empresas. A Nokia planejaria lançar no mercado novos smartphones de gama média, para integrar o SoC Surge S1, o primeiro processador proprietário fabricado pela Xiaomi, que a empresa chinesa usou a bordo do Mi 5C, que por sinal pode contar com 3 GB de RAM e em uma exibição de Full-HD de 5,15 polegadas.

Leia também: Nokia, relançar a marca é um desafio impossível?

Entrando em detalhes, o SoC Surge S1 é feito com um processo de produção 28 nm e estruturado com uma arquitetura octa-núcleo Cortex-A53 em uma configuração big.LITTLE, com um cluster de alta potência composto por quatro núcleos de 2,2 GHz e um dedicado à economia de energia que inclui quatro núcleos de 1,4 GHz.

Nokia Surge S1

Uma configuração que encontrou o tamanho perfeito no Mi 5C, considerando o preço de tabela deste smartphone. Nokia deve escolher uma plataforma de hardware muito semelhante para os seus próximos dispositivos pertencentes ao segmento de mercado intermediário, e não está excluído que o contrato também pode se estender a algumas linhas de produção.

Leia: Xiaomi e o estranho caso da queda nas vendas

No entanto, esta é uma estratégia mais ampla. Nokia de fato, poderia explorar a capacidade de produção de Xiaomi, que por sua vez se beneficiariam da empresa finlandesa em termos de patentes e apelo de marketing. Um mosaico que permitiria que o primeiro penetrasse mais facilmente no mercado asiático e o último no mercado ocidental.

Nokia Surge S1

Os próximos meses serão cruciais nesse sentido. Por enquanto, a hipótese de que a empresa finlandesa usará o SoC Surge S1, em uma espécie de evolução do Nokia 3. Esta segunda parte de 2017 esclarecerá, porém, o alcance efetivo da parceria entre essas duas realidades que, apesar de estarem em condições de mercado diametralmente opostas, poderiam estabelecer uma frutuosa comunhão de intenções.

Atualização 5 de julho de 2017

Após os rumores das últimas horas, o acordo oficial acaba de chegar Xiaomi é Nokia. Nenhum detalhe específico foi divulgado, com as empresas conversando sobre uma troca genérica de patentes padrão para a tecnologia celular.

Muito interessante, porém, as declarações de Lei Jun, a CEO do Xiaomi:

“A colaboração com Nokia nos permitirá tirar proveito de seu enorme know-how na criação de grandes redes e no que diz respeito a software e serviços. Estamos entusiasmados por poder trabalhar em estreita colaboração com Nokia

Xiaomi Nokia
Lei Jun, CEO Xiaomi

Jun portanto, mencionou também as infra-estruturas de rede, setor em que Nokia manteve um papel importante. Nenhuma menção específica sobre o uso do SoC Surge S1. No entanto, é claro que a colaboração entre as duas empresas pode se tornar cada vez mais profunda no futuro.


Tom’s Recommend

o Moto G5 Plus é a proposta de Lenovo para o mercado de smartphones de gama média. Possui uma tela Full-HD, 3 GB de RAM e bom valor ao dinheiro.