Neurocase: Ap√≥s o dentista lembrar apenas os √ļltimos 90 minutos!

Em um relatório recente da revista Neurocase, o psicólogo clínico Gerald Burgess, da Universidade de Leicester, descreve o caso de um homem que, após uma visita ao dentista, ficou com uma memória de 90 minutos.

O jogador de 38 anos, que pediu para permanecer an√īnimo, n√£o consegue mais formar mem√≥rias e s√≥ consegue se lembrar das coisas dos √ļltimos 90 minutos. Simplificando, seu c√©rebro √© como reiniciar a cada hora e meia.

Neurocase Neurocase Neurocase Neurocase

“Em uma visita ao canal radicular, durante a qual um anest√©sico local foi administrado, a pessoa pode se lembrar de nada mais que 90 minutos”, diz o especialista Gerald Burgess, da Neurocase.

Sua personalidade é a mesma, ele sabe quem ele é e não tem problemas em se lembrar de eventos que aconteceram antes de sua visita ao dentista. Todas as manhãs, quando acorda, acha que é o dia da consulta com o dentista.

O psic√≥logo Gerald Burgess relata que o paciente de 38 anos vive com mem√≥rias de 90 minutos h√° uma d√©cada. Ele consegue se lembrar com a ajuda de um di√°rio eletr√īnico e com mensagens.

Em seu trabalho sobre esse caso bizarro, o especialista da Leicester University diz que, apesar de passar por muitos testes, os médicos ainda não encontraram nenhum sinal de dano ao cérebro. Em outras palavras, o cérebro humano parece estar intacto e totalmente funcional.

Pesquisas anteriores mostraram que danos ao cérebro ou hipocampo podem danificar a memória. Mas ambas as áreas do cérebro do paciente, junto com todo o resto, parecem funcionar normalmente.

O “paciente” √© perfeitamente capaz e n√£o sofre de problemas de sa√ļde que possam afetar a mem√≥ria; portanto, este caso fez psic√≥logos e especialistas olharem para o teto.

Na esperança de resolver esse estranho caso de perda de memória, o pesquisador Gerald Burgess e seus colegas estão procurando parceiros que possam conhecer outra pessoa com os mesmos sintomas.

Especialistas acreditam que eles devem documentar esses sintomas em outro paciente e comparar seus registros médicos com os de 38 anos para ver se conseguem entender o que está causando esses sintomas.