National Geographic compartilhou uma foto com um céu clonado e os fotógrafos ficaram indignados

Como sabemos, existem muitos fotógrafos por aí que fazem muita edição para melhorar uma foto.

Por processamento pesado, queremos dizer remover elementos da foto ou adicionar elementos, sendo uma das alterações mais comuns melhorar o céu.

É claro que não somos contra nenhuma intervenção em uma foto. Mas temos a percepção de que outra foto e outra imagem. A separação acima é fácil, uma foto é uma foto tirada pela câmera, que pode ser editada sem grandes alterações (por exemplo, ajuste de contraste, cores, acidez etc.), enquanto uma imagem é o resultado de A visão criativa do fotógrafo e o termo refere-se a qualquer imagem proveniente da combinação de uma câmera e processamento ilimitado de computador.

Mas o certo e honesto é que o fotógrafo sempre exponha o que mostra e, especialmente, quando criou uma imagem, fazendo grandes alterações no PC, para mencioná-la em seu post, seja nas redes sociais, seja em tributos e projetos.

A regra acima é um princípio inviolável para o fotojornalismo ou para a chamada fotografia documental, mas, em nossa opinião, deve ser um princípio inviolável para os fotógrafos que tentam capturar o ambiente ao nosso redor, ou seja, fotógrafos de paisagem, natureza e vida selvagem.

Basta aceitá-lo como uma espécie de competição nobre entre os fotógrafos, pois não é o mesmo passar horas no campo, no escuro e no frio para conseguir a foto perfeita e o mesmo para fazer uma foto e depois mudar as luzes para você representa algo que realmente não viu com seus próprios olhos, isto é, algo que em essência nunca existiu no mundo físico, na forma que é atribuída.

E a concorrência entre fotógrafos não é ruim de existir, pois é certo e empiricamente confirmado que, como fotógrafo, você tenta melhorar e superar outros fotógrafos.

Portanto, faz sentido que muitos fotógrafos tenham ficado indignados com uma foto publicada na National Geographic, em um artigo intitulado Veja as árvores mais antigas do mundo à luz das estrelas (Veja as árvores mais antigas do mundo à luz das estrelas).

O artigo inclui imagens da fotógrafa Beth Moon, do projeto Diamond Nights, com fotos / imagens de Botswana, na África, que capturam de maneira exclusiva algumas das árvores mais antigas do planeta, o Baobab.

Entre todas as fotos impressionantes dessas árvores sob o céu noturno da África, uma foto panorâmica provocou a reação de muitos fotógrafos.

A foto mostra um grupo de árvores sob o céu estrelado, que mostra nossa galáxia.

Até agora tudo bem, mas na verdade vários fotógrafos notaram que a exibição do nosso Galaxy tem problemas e alguns pontos parecem ter sido criados com a ferramenta de clone do Photoshop ou algo semelhante.

A publicação no Facebook da National Geographic obteve enormes classificações, 16.000 curtidas, 472 comentários e 7.900 notificações.

No entanto, muitos dos comentários correram para enfatizar que uma foto tinha problemas com edição pesada e que isso deveria ser mencionado na legenda da imagem. De fato, muitos fotógrafos foram muito severos, chamando a imagem de falsa e acusando a National Geographic de ser descuidada em não controlar o que publica.

No momento, não temos nenhuma reação da National Geographic ou do fotógrafo.

Qual a sua opinião sobre o assunto? Você já viu imagens com processamento pesado que não são mencionadas e receberam muita atenção? Como você reagiu?