Motorola, um retorno sensacional ao setor de tablets?

Motorola pode voltar ao setor de tablets. É isso que emerge de uma captura de tela lançada online, que teria sido feita atravĂ©s deste novo dispositivo. A chave identificada pela empresa, agora de propriedade Lenovopara conseguir romper um segmento em plena recessĂŁo, seria produtividade.

A imagem, no canto superior esquerdo, mostra de fato a escrita “Modo de produtividade”, e a descrição fala da possibilidade de ancorar aplicativos na barra de navegação, facilitando a transição entre aplicativos em comparação com o que Ă© permitido pela multitarefa clĂĄssica Android. Um recurso alterado por Chrome OS, o que poderia representar uma vantagem em comparação com os muitos tablets equipados com o robĂŽ verde e presentes no mercado.

Motorola tablet
O modo de produtividade do prĂłximo tablet Motorola

É claro que, se o conceito de produtividade fosse limitado a essa possibilidade, provavelmente seria insuficiente permitir Motorolae, portanto, um Lenovo, para atrair a atenção dos usuários do setor de tablets. É por isso que a empresa pode estar trabalhando em vários recursos no ambiente de negócios.

Todos os detalhes, contudo, a serem confirmados, bem como os relacionados à diagonal da tela deste tablet que, de acordo com a indiscrição em questão, serão de 9 ou 10 polegadas. Nesse sentido, uma hipótese consistente com o conceito de produtividade, pouco aplicåvel a telas com dimensÔes menores.

tablet lenovo yoga 10
Lenovo Yoga Tablet 10

Nas próximas semanas, certamente serå possível aprofundar as informaçÔes sobre este produto. Além das especificaçÔes técnicas, no entanto, a hipótese de retorno dos comprimidos com o Marca Moto abre uma série de consideraçÔes, principalmente em relação à situação atual no mercado específico.

O recente relatĂłrio de mercado produzido pela IDC, mostraram que as vendas globais de tablets caĂ­ram 8,5% no primeiro trimestre de 2017. Isso Ă© tudo, exceto de improviso, dado que Ă© o dĂ©cimo trimestre consecutivo negativo. Um contexto que Ă© ainda mais complicado ao considerar a tendĂȘncia oposta da Windows 2 em 1.

Leia tambĂ©m: Tablet a crise continua, contra a atual Ășnica Huawei

A flexibilidade desses dispositivos, combinada com a produtividade significativamente maior oferecida pela janelas comparado com Android, estĂĄ permitindo que 2 em 1 consiga capturar as preferĂȘncias do usuĂĄrio. Tudo isso tambĂ©m considerando a tendĂȘncia geral de preços que hoje permite comprar um desses dispositivos com uma ampla variedade de opçÔes disponĂ­veis, mesmo com valores limitados.

Um contexto muito diferente em relação a janeiro de 2012, quando, graças Ă  parceria comercial com Tim, foi comercializado na ItĂĄlia Xoom 2, Tablet antigo feito por Motorola Mobility. EcrĂŁ HD de 10 polegadas, Soap Omap 4433 de nĂșcleo duplo 1,2 GHz, 1 GB de RAM e Android 3.2 Honeycomb. Uma era longe do ponto de vista tecnolĂłgico.

motorola xoom 2
Motorola Xoom 2

É claro, portanto, que se a indiscrição de hoje fosse confirmada, Motorola (e, portanto, Lenovo) estaria fazendo uma escolha decididamente corajosa. Nesse sentido, pense nos dados coletados pela IDC em relação aos fabricantes de tablets: maçã registrou -13% entre o primeiro trimestre de 2017 e o primeiro trimestre de 2016 em termos de milhĂ”es de unidades iPad entregues (8,9 vs 10,3), um sinal negativo (embora muito mais contido) que tambĂ©m atingiu Samsung, Amazonas, o mesmo Lenovo.

Motorola tablet

A Ășnica empresa positiva foi Huawei tambĂ©m graças a Gama M, conseguiu empurrar seus tablets especialmente no campo da multimĂ­dia (pense, por exemplo, na parceria com Harman & Kardon) Um mosaico complexo, no qual uma marca histĂłrica como Motorola pode tentar trazer uma onda de notĂ­cias.