Microsoft, as notĂ­cias do Build 2020: o supercomputador em nuvem dedicado Ă  inteligĂȘncia artificial

Acabou de abrir Build 2020, o evento anual de Microsoft dedicado Ă  desenvolvedores que Ă© realizado exclusivamente online este ano. Durante a conferĂȘncia, que começou com uma palestra do CEO Satya Nadella, um revolucionĂĄrio foi introduzido supercomputador.

A empresa Redmond, em colaboração com OpenAI, desenvolveu um supercomputador de InteligĂȘncia Artificial baseado em Azure, a plataforma em nuvem da Microsoft. Essa novidade foi especialmente projetada para permitir que desenvolvedores, cientistas de dados e clientes comerciais acessem modelos de inteligĂȘncia artificial e inĂșmeras ferramentas (graças aos Serviços de AI do Azure e GitHub).

É um dos sistemas mais poderosos jĂĄ criados, encaixando-se no Top 5 do mundo e que certamente apoiarĂĄ os especialistas durante os desafios do presente e do futuro. Este supercomputador consiste em um sistema Ășnico com CPU composta por 285.000 nĂșcleos, 10.000 GPU e uma conectividade de rede de 400 GB por segundo para cada servidor GPU. A infraestrutura benĂ©fica de todos os recursos do Microsoft Cloud, como implantação rĂĄpida, datacenters sustentĂĄveis ​​e serviços do Azure.

A empresa também anunciou outras notícias, incluindo:

  • UMA’experiĂȘncia simplificada para desenvolvedores que criam aplicativos para o Microsoft Teams.
  • A atualização de Estrutura Fluida torna a solução de cĂłdigo aberto para desenvolvedores e acessĂ­vel aos usuĂĄrios finais graças a Graças aos componentes Fluid e aos espaços de trabalho Fluid.
  • Novas ferramentas de Responsible ML no Azure Machine Learning e kits de ferramentas OSS com os quais os usuĂĄrios poderĂŁo implementar modelos de inteligĂȘncia artificial de maneira responsĂĄvel.
  • Microsoft Cloud para assistĂȘncia mĂ©dica Ă© a solução em nuvem projetada especificamente para o setor de saĂșde.

A Microsoft anunciou que os usuĂĄrios gastaram recentemente 4.000 bilhĂ”es de minutos por mĂȘs conectados a Windows 10 para trabalhar Ă© estudar, com um aumento de 75% em relação ao ano passado (devido ao Covid-19).