Microchips prejudiciais

ist2_5613425-computer-chip Principais altera√ß√Ķes No campo dos chips, ele “promete” trazer um microchip pioneiro apresentado pelos cientistas da Caltech, que tem a capacidade de “adaptar-se” √†s ‚Äč‚Äčcondi√ß√Ķes resultantes de danos, alterando a maneira como ele gerencia os dados.

De acordo com um post do MIT Technology Review, este é um circuito interno que pode fazer <…>

os chips “convencionais” s√£o mais confi√°veis ‚Äč‚Äče eficientes. O chip n√£o “repara” naturalmente os danos, mas usa um processador secund√°rio para encontrar novas maneiras de realizar seu trabalho, apesar da presen√ßa de danos. Al√©m disso, o chip pode ser programado de acordo com as respectivas prioridades, como economia de energia ou aumento de velocidade.

De acordo com Ali Chatzimiri, professor de Caltech que liderou a pesquisa, do MIT Technology Review, os chips de “nova gera√ß√£o”, al√©m de poderem alterar seu desempenho instantaneamente, funcionar√£o melhor de maneira mais comum / convencional tarefas.

Os circuitos de repara√ß√£o autom√°tica desse tipo ser√£o mais resistentes a problemas de constru√ß√£o, ao mesmo tempo em que resistem a condi√ß√Ķes adversas, como altas temperaturas ou desgaste devido ao tempo. As aplica√ß√Ķes em potencial s√£o ilimitadas e podem variar de equipamento militar mais confi√°vel a dispositivos de consumo “cotidianos” mais dur√°veis.

O chip de repara√ß√£o autom√°tica introduzido pela equipe de Hadjimiri – que liderou essa conquista devido √† natureza complexa do circuito – consiste em 100.000 transistores, v√°rios tipos de sensores e um processador adicional que monitora a opera√ß√£o e o desempenho. e, ao mesmo tempo, “executa” algoritmos para encontrar maneiras de melhor√°-los.

O trabalho em equipe de Caltech foi apresentado na IEEE Transactions on Microowave Theory and Techniques. Nos testes, os circuitos continuaram a operar mesmo ap√≥s repetidos ataques a laser, que tornaram quase metade dos transistores in√ļteis – o processo de adapta√ß√£o aos novos dados levou apenas alguns milissegundos e, nos casos em que n√£o havia danos, o consumo de energia era menor. em 50%.

Um elemento chave em todo o caso é um programa no processador secundário, que analisa os dados obtidos dos sensores sobre temperatura, tensão atual, fonte de alimentação etc.

No nível de construção, estima-se que essa tecnologia ajude muito os fabricantes de chips, pois eles não precisarão fabricar chips tendo em vista os piores cenários possíveis, com o impacto que isso tem no desempenho deles.

Fonte: Naftemporiki.gr