Jornais pirateados no Telegram, 19 canais apreendidos: eis a lista

Após o fechamento de sete canais do Telegram por iniciativa da AGCOM, seguindo a posição da FIEG e ODG da Lombardia, o Promotor de Bari apreendeu 19 outros canais da plataforma de mensagens instantùneas em que foram espalhadas cópias pirateadas de jornais e livros. O promotor pÔe em hipótese os crimes de reciclagem, recebimento de mercadorias roubadas, acesso abusivo a um sistema de TI ou telemåtica, roubo e violação da lei de direitos autorais para as pessoas que estão sendo identificadas.

Os canais envolvidos são: “eDiCoLA_luXuRiOsA”, “RIVISTE ITALIANE”, “Riviste Oggi”, “apenas revistas mensais”, “LIVROS PDF DA UNIVERSIDADE”, “LIVROS PDF GRÁTIS”, “LIVRE EM EDICOLA”, “JORNAIS E REVISTAS”, “Livros universitários”, “EbookDoe”, “JORNAIS-LIVROS-REVISTA ITÁLIA”, “REVISTA DE REVISTA – ITALIANO LIVRE”, “O Jornal Moderno”, “LIVRO ITALIANO”, “LIVRO ITALIANO”, “Banca Semanal”, “JORNAL ITALIANO”, “JORNAL ITALIANO”, “JORNAL ITALIANO”, “I @ OTInews Jornais” Jornais e mensalmente “,” Livros em italiano de graça “.

O Promotor explica que o procedimento diz respeito Ă s pessoas – identificadas – que, “em concorrĂȘncia umas com as outras, se introduzindo nos sistemas de computadores de inĂșmeras editoras de revistas, jornais e livros protegidos por medidas de segurança, roubou milhares de arquivos PDF dos mencionados recursos protegidos por direitos autorais, despejando-os ilegalmente em vĂĄrios canais a plataforma de mensagens instantĂąneas chamada Telegram, permitindo assim uma distribuição ampla e abusiva e gratuita de milhares de revistas, jornais e livros “.

A apreensĂŁo foi realizada em cinco representantes legais da empresa que gerencia o Telegram e a AGCOM. A Unidade de PolĂ­cia EconĂŽmica e Financeira da Guardia di Finanza de Bari entrou em contato com os gerentes da plataforma para inibir os canais que permitiam que as cĂłpias piratas fossem colocadas na rede. “As investigaçÔes continuam a reconstruir a rotatividade ilĂ­cita e a identificar os autores do crime bem como a responsabilidade criminal das empresas envolvidas “.

Estimativas do MinistĂ©rio PĂșblico danos Ă s editoras em 670 mil euros por dia, correspondendo a cerca de 250 milhĂ”es de euros por ano, “uma vez que os usuĂĄrios inscritos nos canais em questĂŁo seriam de cerca de 580 mil, um aumento no perĂ­odo de propagação do vĂ­rus Covid-19 e um aumento de 88% nos jornais divulgados ilegalmente”.