IPhones vai cheirar, graças a um novo chip

iphone55 Em um a dois anos, o proprietário de um smartphone da Apple poderá usar o telefone para verificar se o vinho está azedo ou se o hálito está ruim.

É isso que a empresa americana Adamant Technologies promete, que está desenvolvendo um chip para iPhones que será capaz de detectar e “entender” uma grande variedade de odores. <…>

tanto quanto o cachorro.

Criar um “nariz eletrĂ´nico” nĂŁo Ă© uma tarefa fácil, como evidenciado pelos dispositivos correspondentes que outras empresas ou institutos de pesquisa construĂ­ram atĂ© agora. Embora bastante sensĂ­veis, todos esses dispositivos detectam um tipo de odor – por exemplo, os bafĂ´metros medem exclusivamente a concentração de álcool na respiração. Assim, eles nĂŁo podem ser comparados ao cheiro humano, graças ao qual se pode, p. para entender que no mesmo local Ă© assado, por exemplo ao mesmo tempo, uma pista e um bolo de chocolate.

Mas, de acordo com a Adamant Technologies, seu chip excede em muito as capacidades do cheiro humano. Isso ocorre porque, se nosso nariz contĂ©m 400 “sensores” que permitem capturar e analisar compostos quĂ­micos do ar, para o mesmo objetivo, o circuito eletrĂ´nico usa 2.000 sensores. Assim, Ă© sensĂ­vel a aproximadamente tantos odores quanto o cĂŁo pode detectar.

A empresa começará a produção em massa do chip em alguns meses, em uma unidade industrial no Texas. O prĂłximo passo será desenvolver aplicativos para o sistema operacional do iPhone, cada um dos quais utilizará o cheiro do chip para uma finalidade especĂ­fica – por exemplo, esse aplicativo controlará o mau hálito. A Adamant estima que os testes de hardware e software serĂŁo concluĂ­dos em dois anos, no máximo, para que seu produto possa ser lançado no mercado.

Em sua forma comercial, o produto terá a forma de um pequeno acessĂłrio que será conectado ao iPhone e nĂŁo custará mais de US $ 100. AlĂ©m do mau hálito, a empresa afirma que alguns dos primeiros usos do acessĂłrio serĂŁo medir o álcool na respiração, mas tambĂ©m monitorar doenças que criam uma “assinatura quĂ­mica” caracterĂ­stica na respiração.

Fonte: portal.kathimerini.gr