IDC atesta a demanda por notebooks e tablets gerados pela pandemia do COVID-19

Em tempos de pandemia global, as compras são reduzidas, mas não aqueles relacionados a produtos tecnológicos. Esse é o ensinamento, não procurado e certamente certamente imediato, que pode nos dar esse primeiro período de coexistência forçada com o COVID-19, observando como havia um demanda acima do normal para laptops e tablets.

Essas ferramentas, certificadas pela IDC, analisando a tendência de vendas nos mercados europeus no início de 2020, foram de fato fortemente solicitado pelos consumidores finais motivados pela necessidade de trabalhar em casa e de permitir que seus filhos estudem remotamente. Aqueles que ainda não tinham acesso a um desses dispositivos precisavam comprá-lo ou se juntar a outros que já possuíam para atender às necessidades de toda a família.

Demanda acima da média que rapidamente levou a problemas de estoque, você se esgota rapidamente, além do fornecimento do produto. As dificuldades relacionadas à produção de componentes na China, uma consequência da difusão inicial do COVID-19 justamente nessas áreas, de fato diminuíram a produção desde o final de janeiro: só agora está sendo feito um progresso em direção ao retorno à produção comum, com o qual tentar, em certa medida, atender à demanda adicional do consumidor.

Durante o rec√©m-iniciado segundo trimestre de 2020, a IDC estima que a produ√ß√£o na China retornar√° definitivamente √† capacidade t√≠pica. Por outro lado, √© mais dif√≠cil pensar em uma resolu√ß√£o de curto prazo dos problemas ligados √† cadeia de distribui√ß√£o e marketing nas regi√Ķes que agora enfrentam a pandemia.

Também deve ser entendido por quanto tempo a demanda do mercado permanecerá sustentada o que foi observado no primeiro trimestre: a demanda adicional dos consumidores está se esgotando gradualmente, enquanto as empresas ativam modalidades que exigem atenção ainda mais acentuada aos custos.

Da√≠ um estimativa conservadora da IDC que prev√™, para 2020, uma queda na demanda por dispositivos pessoais, como PCs e tablets, quantificados em pouco mais de 5% nas regi√Ķes europ√©ias, com din√Ęmicas presumivelmente diferentes passando de uma na√ß√£o para outra, mas em geral com dificuldades que afetar√£o um pouco todos os pa√≠ses. Muito, no entanto, estar√° relacionado √† rapidez com que √© poss√≠vel alcan√ßar um ponto de controle pand√™mico, com um conseq√ľente retorno lento mas constante √† vida pr√©-coronav√≠rus.