Huawei, no coração do novo campus em Dongguan: falamos sobre o Vale do Silício Chinês

1,4 milh√£o de metros quadrados, 25 mil pessoas empregadas, 1,3 bilh√Ķes de euros gastos em sua constru√ß√£o. Esses s√£o os n√ļmeros do novo campus da Huawei, localizado em Dongguan, China, a pouco mais de uma hora de carro de Shenzen. Foi aqui que se localizou a divis√£o de pesquisa e desenvolvimento, que nos √ļltimos anos desempenhou um papel fundamental no crescimento exponencial da empresa, que em vinte anos aumentou sua receita em cem vezes (100 bilh√Ķes de d√≥lares em 2018). Ap√≥s 15 horas de viagem, cruzamos o limiar da estrutura.

Arquitetonicamente, é uma verdadeira homenagem à Europa. De fato, existem 12 bairros, cada um dos quais inspirado no estilo das grandes cidades do velho continente: Paris, Freiburg, Oxford, Bruges, mas também a própria Bolonha e Verona italianas. Então, aqui estão edifícios de tijolos que quase entram em contraste com o ambiente externo, feitos de enormes arranha-céus cobertos com paredes de LED. A intenção é evidentemente criar um lugar longe da agitação das modernas cidades chinesas.

Existe uma linha f√©rrea el√©trica que, usando 8 quil√īmetros de trilhos, percorre internamente o campus, permitindo movimentos por toda a √°rea, com paradas e esta√ß√Ķes. Essa abordagem permite emitir 20% em emiss√Ķes de CO2 em compara√ß√£o com o que aconteceria com os √īnibus padr√£o. Embora, de um ponto de vista requintadamente visual, a estrutura lembre um estilo cl√°ssico, tudo √© projetado para o futuro.

Um futuro do qual a Huawei quer ser o protagonista absoluto e, para atingir esse objetivo, a divis√£o de pesquisa e desenvolvimento ter√° um papel ainda mais importante. Milhares de engenheiros est√£o lan√ßando as bases no campus para o que ser√£o as duas tend√™ncias dominantes da tecnologia, ou seja, 5G e IoT. √Č principalmente sobre essas quest√Ķes que os esfor√ßos da empresa chinesa est√£o se concentrando e, atualmente, estamos tendo a oportunidade de tocar os primeiros resultados para n√≥s mesmos.

Nas imagens acima l√° elas s√£o antenas 5G totalmente funcionais, criado em colabora√ß√£o com a China Mobile. A impressionante infraestrutura de rede j√° existente permitir√° que a √°rea de Shenzen esteja na primeira fila para a difus√£o deste novo padr√£o. Entre as v√°rias aplica√ß√Ķes de campo que vimos em a√ß√£o, a que mais nos impressionou foi, sem d√ļvida, a experi√™ncia a bordo de um pequeno √īnibus aut√īnomo.

Cobrimos 3,5 quil√īmetros no tr√°fego da cidade, por um caminho pr√©-estabelecido. Obviamente, estamos longe do que ser√° a dire√ß√£o aut√īnoma, quando ser√° difundida em larga escala, com todas as quest√Ķes cr√≠ticas e imprevis√≠veis com as quais ter√° de lidar, mas os passos a seguir nos √ļltimos dois anos foram claros. O √īnibus fez sua pr√≥pria jornada pelo tr√°fego, com muitas voltas e mais voltas, sem nenhuma hesita√ß√£o, tamb√©m gra√ßas √† lat√™ncia muito baixa oferecida pela rede 5G, que nesses casos desempenha o papel de motorista “remoto”.

A import√Ęncia do que est√° sendo trabalhado no campus tamb√©m √© evidenciada pela g√™nese do projeto. A constru√ß√£o come√ßou em 2014 e levou quase 5 anos para ser conclu√≠da na √≠ntegra. Como foi dito no in√≠cio, existem 25 mil pessoas empregadas na estrutura, em compara√ß√£o com 180 mil em todo o universo da Huawei. Isso tamb√©m d√° uma id√©ia de quanto a empresa chinesa investe em pesquisa e desenvolvimento, um valor entre 15 e 20 bilh√Ķes de d√≥lares por ano, envolvendo 45% de sua for√ßa de trabalho.

Al√©m disso, o crescimento exponencial da Huawei nos √ļltimos anos n√£o √© resultado do acaso e praticamente acompanhou o de Shenzen. Pense, em 1990 a cidade tinha 20.000 habitantes, hoje atingiu 13,5 milh√Ķes, tornando-se uma das metr√≥poles da China, o centro nervoso da alta tecnologia no pa√≠s do drag√£o. Arranha-c√©us brilhantes que brotam entre edif√≠cios tradicionais, como se quisessem sublinhar o contraste que permeia essa parte do mundo.

O √ļnico verdadeiro desconhecido √© olit√≠gio amargo e espinhoso entre a China e os Estados Unidos, que tamb√©m afetou diretamente a pr√≥pria Huawei. Desse ponto de vista, no campus h√° um ar de serenidade absoluta, tamb√©m porque o tema nessas partes √© praticamente um tabu. A realidade √© que, juntamente com as inova√ß√Ķes t√©cnicas, um dos principais desafios para os grandes chineses de alta tecnologia ser√° justamente poder curar a fratura com o pa√≠s com estrelas e listras, ou encontrar uma alternativa para esse mercado, novos pontos de venda para usar toda essa tecnologia.