Huawei, HarmonyOS se espalhará em 2020, mas não em smartphones

O sistema operacional proprietário da Huawei, HarmonyOS, não chegará a smartphones, tablets e computadores pelo menos por enquanto.. A confirmação vem do presidente da divisão de software, Wang Chenglu, conforme relatado pela Reuters. 2020 será, portanto, o ano em que o HarmonyOS chegará a vários dispositivos da marca chinesa destinados ao mercado doméstico e internacional. Vamos falar sobre alto-falantes inteligentes, dispositivos portáteis, TVs inteligentes, relógios inteligentes.

Android e Windows ainda são as rotas preferidas para a Huawei quanto a smartphones e tablets de um lado e PC do outro. Por outro lado, a Microsoft é uma das empresas que conseguiu obter a licença especial dos Estados Unidos para continuar negociando com a gigante de Shenzhen. O grande ausente continua sendo o Google, que ainda é proibido de manter relações comerciais com a Huawei, pelo menos por enquanto. As suposições sobre isso são diferentes.

O sistema operacional do robô verde representa um dos pontos mais importantes para Huawei que não pode usá-lo em sua forma completa em smartphones destinado a mercados internacionais. Portanto, a primeira hipótese é que os Estados Unidos poderiam parar no assunto para usá-lo de alguma forma como uma arma de troca ou – hipótese menos citada – que o Google não solicitou. No entanto, não está excluído que o Departamento de Comércio dos EUA esteja gradualmente emitindo licenças e que o gigante de Mountain View possa chegar nas próximas semanas. Por enquanto, porém, são apenas suposições e apenas o tempo nos dará as respostas certas.

Enquanto isso, Huawei continuará desenvolvendo o HarmonyOS tornando-o de código aberto em agosto de 2020. Ainda vai demorar muito para que o sistema operacional de Shenzhen possa pousar em smartphones para substituir o Android. Para fazer isso, a Huawei está convidando – também por meio de apropriações financeiras – a comunidade de desenvolvedores a criar aplicativos sem os serviços do Google a serem publicados em sua Huawei App Gallery.

Em resumo, se o problema com os Estados Unidos não se resolver até fevereiro (mês em que a extensão concedida pelo Departamento de Comércio dos EUA expira), a Huawei continuará a usar a versão AOSP do Android sem os serviços e aplicativos do Google em seus smartphones – apenas como aconteceu com a série Mate 30 – tentando substituí-los pelos serviços móveis da Huawei.