Huawei e √ćndia podem assinar acordo sem backdoor

A √ćndia, o segundo maior mercado de telefonia m√≥vel do mundo, deve desenvolver a rede 5G nos pr√≥ximos anos. O primeiro passo no desenvolvimento da rede √© a organiza√ß√£o de um leil√£o para as ondas de r√°dio 5G, no qual v√°rias empresas participar√£o. No entanto, a participa√ß√£o do fabricante chin√™s de smartphones Huawei, com sede na China, √© atualmente incerta devido ao seu envolvimento em quest√Ķes de seguran√ßa. A √ćndia ainda n√£o decidiu se deve ou n√£o permitir que a Huawei participe dos testes 5G.

De acordo com um relat√≥rio da Reuters, devido a quest√Ķes de seguran√ßa, a Huawei concordou em assinar um acordo com a √ćndia para que n√£o haja Backdoors em seus dispositivos, para que possa participar do leil√£o.

As autoridades dos EUA proibiram a Huawei de usar tecnologia baseada nos Estados Unidos e fornecer material 5G por raz√Ķes de seguran√ßa. A empresa tamb√©m foi acusada de incluir um backdoor em seus equipamentos.

Jay Chen, CEO da Huawei for Business na √ćndia, disse em entrevista que a empresa quer trabalhar com as autoridades indianas para esclarecer sua posi√ß√£o sobre o envolvimento da empresa no desenvolvimento da rede 5G.

Chen disse: “Se o governo quiser, estamos abertos a ter o c√≥digo-fonte em uma conta comprometida”. Ele acrescentou que a Huawei tamb√©m est√° aberta √† id√©ia de construir equipamentos localmente para minimizar quaisquer preocupa√ß√Ķes de seguran√ßa.

Em agosto, a China emitiu um alerta para impor “san√ß√Ķes reversas” √† √ćndia se o pa√≠s decidir proibir a Huawei de fazer neg√≥cios na √ćndia.

O governo indiano ainda n√£o tomou uma decis√£o. Sua decis√£o depender√° de muitos fatores, j√° que a Huawei enfrenta proibi√ß√Ķes n√£o apenas nos EUA, mas tamb√©m na Nova Zel√Ęndia e na Austr√°lia.