Huawei e alegado auxílio estatal, a empresa responde às alegaçÔes do WSJ

A Huawei voltou ao centro das atençÔes devido a um relatĂłrio publicado pela Jornal de Wall Street em dias recentes. Segundo o jornal americano, o gigante de Shenzhen teria recebido cerca de US $ 75 bilhĂ”es em doaçÔes, incentivos fiscais e financiamento do governo chinĂȘs. Isso teria ajudado a empresa a crescer em telecomunicaçÔes, colocando-a em uma posição mais forte do que seus concorrentes.

A resposta da Huawei nĂŁo demorou a negar que havia recebido auxĂ­lio estatal especial e acusando o jornal americano de usar “informação falsa“E entĂŁo vĂĄ para”conclusĂ”es precipitadas e incorretas” A nota divulgada pela casa chinesa – tambĂ©m presente no Twitter – diz: “O relacionamento com o governo chinĂȘs nĂŁo Ă© diferente de qualquer outra empresa privada que opera na China. Nunca recebemos tratamento especial. Nos Ășltimos 10 anos, 90% do nosso capital de giro vem de nossas operaçÔes comerciais

Portanto, a empresa de Shenzhen se beneficiou de subsĂ­dios do governo como qualquer outra empresa elegĂ­vel, mas que “na Ășltima dĂ©cada, representam menos de 0,3% da receita anual total “. Para a Huawei, a anĂĄlise de WSJ nĂŁo estĂĄ correto, pois ignoraria os investimentos feitos em Pesquisa e Desenvolvimento que ajudou a tornĂĄ-lo o grande gigante que Ă© hoje. “Nos Ășltimos 30 anos, investimos de 10 a 15% da receita anual em pesquisa e desenvolvimento, com gastos que atingiram US $ 15 bilhĂ”es em 2018, tornando-nos o quinto maior operador de pesquisa e desenvolvimento do mundo. Investimos mais de US $ 4 bilhĂ”es em 5G, mais do que todos os principais distribuidores dos EUA e da Europa juntos. “

Com base nessas declaraçÔes, A Huawei pretende tomar medidas legais contra Jornal de Wall Street que – segundo o fabricante chinĂȘs – “ele publicou uma sĂ©rie de artigos de mĂĄ fĂ© que danificaram seriamente a reputação da empresa “. As acusaçÔes do jornal americano sĂŁo pesadas (aqui estĂĄ o link para a reportagem) e todas ainda precisam ser julgadas. Se fossem fundados, demonstrariam os vĂ­nculos entre a Huawei e o estado chinĂȘs, considerados uma ameaça Ă  segurança nacional pelos Estados Unidos e sempre negados pelo gigante de Shenzhen.