HTC fecha 2019 com mais um colapso econômico

O colapso impiedoso continua HTC: a 2019 viu uma diminuição no volume de negócios de 57,8% em comparação com o ano anterior. Para entender o quão dramática é a situação, é preciso enfatizar que o 2018 foi o pior ano para a empresa.

A chegada do novo CEO, Yves Maitre (depois de Cher Wang, que assumiu o cargo em 2015), e a apresentação do smartphone HTC Desire 19s não permitiu resolver a situação não muito otimista de outubro passado. O 2019 da HTC fecha, portanto, com -57,8%, e um faturamento de apenas 333 milhões de dólares.

O mesmo Maitre, alguns meses atrás, declarara que a marca havia sido severamente atingida pelo concorrência da Samsung, Apple e Huawei. A tentativa de se estabelecer em novos nichos de mercado, como o da criptovalute com Êxodo 1 e realidade virtual, eles não resolveram os problemas, mas apenas os aumentaram.

Bloomberg registou, tendo em conta os dados oficiais, que os dinheiro ganho da HTC em um ano é o mesmo ganho pela Apple em duas semanas, graças às vendas dos AirPods. A empresa, no entanto, parece não querer jogar a toalha: o objetivo seria lançar um smartphone compatível com o 5G quem deveria ter um custo competitivo.