Hackeando um drone americano do Irã

A televisão estatal do Irã transmitiu um vídeo supostamente recuperado de um avião não tripulado da CIA que caiu nas mãos dos militares iranianos em 2011 – outro incidente envolvendo a interceptação de dados por aeronaves robóticas dos EUA.

Drone RQ-170 Sentinel

O reconhecimento não tripulado do RQ-170 Sentinel caiu em suas mãos iranianos em dezembro de 2011, quando entrou no espaço aéreo iraniano da região do Afeganistão. Desde então, Teerã argumenta que pode cópia de o avião com métodos de engenharia reversa.

O Irã diz que apreendeu vários outros drones. o último incidente Foi em dezembro de 2012 e dizia respeito a um Boeing ScanEagle, cujas fotos foram mostradas na quinta-feira na agência de notícias semi-oficial Fars do Irã. Teerã ainda afirma que já está produzindo cópias do avião, em uma alegação que os Estados Unidos consideram infundada.

Mas no caso do RQ-170 Sentinel, Washington finalmente admitiu que perdeu a aeronave durante um voo de reconhecimento nas instalações nucleares do Irã. Ele até pediu o avião de volta, mas Teerã não aceitou.

Na noite de quarta-feira, a televisão iraniana transmitiu um vídeo que supostamente mostrava uma base americana de veículos aéreos não tripulados em Kandahar, Afeganistão. Um segundo vídeo mostra o pouso do avião no leste do Irã, sem ficar claro se foi o momento em que os iranianos o controlaram.

“Conseguimos acessar os dados da aeronave”, disse o general Amir Ali Hadjizadeh na televisão, observando que o Irã percebeu que era um avião da CIA somente após o pouso.

Preocupações com a segurança de dados em drones atingiram o pico em 2008, quando o Wall Street Journal revelado que os rebeldes no Iraque conseguiram roubar remotamente o streaming de vídeo ao vivo do Predator, usando equipamentos e software por apenas US $ 26.

No entanto, apesar da publicidade do incidente, mais da metade dos drones dos EUA eles continuaram para transmitir vídeo não criptografado quatro anos depois, em outubro de 2012.

Isso significa que os guerrilheiros podem roubar o fluxo de dados com relativa facilidade, embora o governo Obama tenha escolhido aeronaves não tripuladas como a principal arma contra terroristas e extremistas nos últimos anos.

Acordo Com o Washington Post, centenas de “drones” sobrevoando o Afeganistão, Iêmen, Somália, Paquistão e Líbia mataram quase 3.000 pessoas em uma década.

no