Google Pixel 3, o chip Titan M garante segurança máxima

O chip Titan M, a bordo do Pixel 3 e seu irmão mais velho, Pixel 3 XL, garante grande segurança para os dois principais da linha da empresa americana, tornando-os entre os mais seguros do mercado. É um componente que deriva diretamente dos data centers do Google Cloud, uma espécie de versão móvel do mesmo chip – o Titan, de fato.

Ele foi colocado em uma posição diferente do processador principal do Pixel 3, na lógica de poder otimizar o consumo. O objetivo do chip é proteger a tela de bloqueio e o carregador de inicialização de qualquer tipo de ataque, mesmo o mais sofisticado e poderoso, na fase de inicialização do dispositivo, como explicado por Simha Sethumadhavan, cientista da computação da Columbia University.

Atacar um sistema no momento da inicialização fornece uma vantagem importante, e é exatamente nesse momento que é preciso a maior prioridade para acionar um sistema de defesa adequado ou até impedir o ataque“, Explicou Sethumadhavan.

Portanto, o Titan M pode verificar se a versão não vulnerável do Android está sendo usada quando o dispositivo está ligado. O chip de segurança garante amplo controle, impedindo as ações de um usuário hipotético que possa ter o objetivo de fazer downgrade do sistema operacional, tornando o dispositivo mais vulnerável ou interferindo no gerenciador de inicialização.

O chip também ajuda a evitar logins falsos, limitando o número de tentativas de senha ou conectando-se diretamente aos botões laterais do Pixel, para que um invasor não possa criar pressionamentos falsos dos botões físicos, fazendo parecer que um usuário está presente quando não está. O Google também incluiu, também graças ao Titan M, uma proteção para transações em aplicativos de terceiros.

Nesse sentido, são exploradas as APIs StrongBox KeyStore e Protected Confirmation do Android 9 Pie que, aproveitando o chip em questão, protegem senhas privadas e verificam a confirmação da transação pelo usuário. Em suma, realmente a segurança máxima para os novos Pixel 3 e Pixel 3 XL, que de alguma forma confirmam a atenção da empresa de Mountain View em relação a esses problemas, especialmente após o conhecido caso vinculado ao Google+ social.