EUA versus ZTE, n√£o poder√° usar componentes dos EUA

Atualização de 20-04-2018

Tr√™s dias depois, A postura oficial da ZTE chega hoje, que divulgou um comunicado de imprensa por meio de seu portal da web. A empresa chinesa esclareceu que investiu, somente em 2017, mais de 50 milh√Ķes de d√≥lares para poder cumprir as leis de exporta√ß√£o esperadas nos Estados Unidos, planejando novos e mais importantes investimentos para 2018.

Portanto, a ZTE buscará o caminho diplomático para encontrar uma solução para a proibição imposta pelo Departamento de Comércio. Se essa estrada não funcionar, a empresa chinesa diz que está pronta para tomar medidas legais, considerando inaceitável a posição dos EUA, considerando a falta de uma investigação aprofundada dos fatos e do progresso feito pela empresa em relação às leis de exportação.

De qualquer forma, a empresa chinesa está convencida de que a sanção poderia comprometer sua própria sobrevivênciano entanto, parceiros e fornecedores prejudiciais, muitos dos quais são dos Estados Unidos. Em suma, a história parece estar longe de ser uma solução.

O Departamento de Com√©rcio dos EUA imp√īs uma multa √† ZTE. A disposi√ß√£o prev√™ que a empresa chinesa n√£o possa comprar componentes fabricados por empresas americanas. A decis√£o vem ap√≥s o que aconteceu no ano passado em rela√ß√£o √† hist√≥ria que envolveu a gigante de Shenzen na venda de equipamentos e software dos EUA para o Ir√£.

Como voc√™ deve se lembrar, de fato, a ZTE usou uma s√©rie de empresas paralelas para comercializar a tecnologia dos EUA no Ir√£, apesar do embargo em vigor contra o pa√≠s em quest√£o. A empresa chinesa foi considerada culpada, tanto que tamb√©m admitiu sua culpa e pagou uma multa m√°xima de cerca de US $ 890 milh√Ķes.

Capa ZTE

No entanto, a ZTE se comprometeu a tomar medidas disciplinares contra seus funcion√°rios diretamente envolvidos no caso. No entanto, parece que a empresa chinesa, em vez de puni-los, os recompensou com b√īnus, conforme relatado por Wilbur Ross, Secret√°rio de Com√©rcio dos Estados Unidos.

Leia também: Inteligência dos EUA contra smartphones Huawei e ZTE

Daí a pesada provisão do Departamento de Comércio, com a proibição de empresas americanas venderem componentes para a ZTE, que durará 7 anos. Um enorme impedimento para a empresa chinesa, que costumava usar hardware da Qualcomm e Intel e software da Microsoft para seus dispositivos.

zte ax√īnio m (1)

Especialmente no campo de smartphones, não há muitas alternativas para os chipsets da Qualcomm. Nesse sentido, pense em como o ZTE Axon M, o agora conhecido dispositivo móvel com duas telas dobráveis, é equipado precisamente com o SoC Snapdragon. Sem esquecer, a marca Nubia também é de propriedade da empresa chinesa. Em suma, uma situação complexa.

Leia também: ZTE Axon M review: um smartphone, duas telas

O impacto nos neg√≥cios da ZTE poderia, portanto, ser importante, especialmente a m√©dio e longo prazo. Por enquanto, n√£o h√° declara√ß√Ķes oficiais da empresa chinesa, que, no entanto, podem continuar comercializando seus dispositivos nos Estados Unidos.


Tom’s Recommend

O Mi Mix 2S é o novo smartphone topo de gama da Xiaomi. Caracterizado por um design sem bordas, ele pode contar com o novo SoC Snapdragon 845, juntamente com 6 GB de RAM.