EUA: as fotos do Twitter para agĂȘncias sĂŁo licenciadas

twitter Um tribunal dos EUA absolveu um fotojornalista que agiu contra a AgĂȘncia de NotĂ­cias da França e o Washington Post porque eles usaram imagens que ele “carregou” na rede social sem o seu consentimento.

Em uma das primeiras disputas legais no mundo em relação ao regime de direitos autorais que rege o material fotográfico publicado nos serviços de rede social, <
>

Um juiz da cidade de Nova York decidiu que a AgĂȘncia de NotĂ­cias Francesa (AFP) e o Washington Post foram proibidos, usando imagens do fotĂłgrafo Daniel Morel sem o seu consentimento.

A decisĂŁo Ă© preliminar, pois o julgamento continua para que o tribunal possa se posicionar sobre outros aspectos do caso. No entanto, de acordo com a Reuters, isso terĂĄ um efeito catalĂ­tico na maneira como as fotos que circulam nas mĂ­dias sociais serĂŁo usadas a partir de agora. Isso porque o tribunal rejeitou o argumento da AFP de que as imagens de Morel eram protegidas por direitos autorais, uma vez que eram amplamente divulgadas no Twitter.

As imagens foram tiradas pelo fotojornalista no devastador terremoto que atingiu o Haiti em janeiro de 2010. O fotojornalista “as carregou” em sua conta do Twitter, onde foram descobertas por um editor da AFP, que as enviou para a agĂȘncia de fotos. Getty Images. Como cliente da agĂȘncia, o Washington Post selecionou quatro dos instantĂąneos, publicados em seu site.

Embora o processo de Morel tambĂ©m tenha sido movido contra a Getty Images, o tribunal se reservou o direito de decidir sobre a agĂȘncia de fotos no final do julgamento. No entanto, a AFP e o Washington Post decidiram que ambos violavam os termos de uso do Twitter. Segundo a juĂ­za Alison Nathan, os termos de uso permitem que as pessoas usem as imagens livremente sob certas condiçÔes, como reproduzi-las na rede social. Mas nĂŁo para usĂĄ-los para fins comerciais sem a permissĂŁo de seu criador.

Comentando as notĂ­cias da Reuters, um porta-voz do Twitter disse que “como sempre foi nossa polĂ­tica, a propriedade das fotos pertence aos usuĂĄrios”.

Na mesma decisĂŁo preliminar, no entanto, o juiz “corta” a compensação financeira que Morel poderia receber. Assim, embora o fotojornalista esteja pedindo uma quantia em dinheiro que “possa chegar a dezenas de milhĂ”es de dĂłlares”, calculando o nĂșmero de visitantes da AFP e do Washington Post que usaram suas fotos, o tribunal decidiu que quanto mais ele pudesse concedido Ă© uma quantia fixa para cada foto, independentemente de quantas as tenha usado.

Fonte: portal.kathimerini.gr