e-SIM: dois bilhÔes de dispositivos enviados até 2025

As remessas de dispositivos baseados em eSIM atingirão quase dois bilhÔes de unidades até 2025. Essas são as previsÔes das pesquisas mais recentes dos serviços de ETO (Oportunidades Tecnológicas Emergentes) da Counterpoint Research. Uma enorme disseminação, portanto, nos próximos anos principalmente devido a smartphones e dispositivos IoT corporativos. Esses setores trarão à tecnologia eSIM um desempenho melhor do que em 2018. De fato, no ano passado, os embarques foram de cerca de 364 milhÔes.

Pesquisas afirmam que, atĂ© 2025, a maioria dos dispositivos que integram a tecnologia eSIM terĂĄ uma solução baseada em chip de hardware. Os benefĂ­cios da adoção do eSIM dizem respeito a fabricantes, operadoras de telefonia e atĂ© consumidores. “Para o primeiro, o formato compacto que os caracteriza oferece uma redução significativa no espaço bem como maior segurança, reprogramação e eficiĂȘncia energĂ©tica em comparação com as soluçÔes tradicionais de cartĂŁo SIM. Os operadores podem reduzir os custos de distribuição e ativação de SIMs e gerar maiores receitas com dados de roaming. Por fim, oferece grandes benefĂ­cios aos consumidores e clientes corporativos ao escolher, ativar, conectar e gerenciar a conectividade em seus dispositivos sem interrupção

CrĂ©dito – Contraponto

Segundo analistas, os eSIMs baseados em hardware estĂŁo ganhando terreno graças Ă  APPLE (cuja primeira tentativa remonta a 2014 com o iPad Air 2) e aos fabricantes de dispositivos automotivos e portĂĄteis. De fato, comentando sobre os segmentos que adotam o eSIM, o diretor de pesquisa, Neil Shah acrescentou que “Os dispositivos IoT para empresas e a indĂșstria automotiva continuarĂŁo no topo a curva de adoção do eSIM no futuro. AlĂ©m disso, a taxa de ativação do eSIM nos dispositivos corporativos de IoT tambĂ©m serĂĄ muito maior do que nos dispositivos de IoT dos consumidores “. Quanto ao mercado de smartphones, no entanto, o crescimento deve ser impulsionado pelos principais players do setor, incluindo Apple e Google.

Além disso, se os eSIMs até agora foram adotados principalmente pelos fabricantes chineses com soluçÔes proprietårias, espera-se um para os próximos cinco anos maior adoção de soluçÔes baseadas em hardware compatíveis com as especificaçÔes definidas pela Associação GSMA, que representa mais de 800 operadoras de telefonia em todo o mundo, pois são mais seguras que as tecnologias proprietårias.