Coronav√≠rus, a Apple rejeita aplicativos que n√£o v√™m de organiza√ß√Ķes de sa√ļde?

O coronav√≠rus est√° colocando todos na frente de novos desafios. N√£o apenas a epidemia e a propaga√ß√£o do v√≠rus devem ser interrompidas, mas tamb√©m o que foi definido infod√™mico isto √©, a divulga√ß√£o de uma quantidade excessiva de informa√ß√Ķes muitas vezes imprecisas. Para combater esse fen√īmeno, A Apple rejeitaria todos os aplicativos sobre o assunto que n√£o prov√™m de institui√ß√Ķes reconhecidas, como organiza√ß√Ķes de sa√ļde ou hospitais.

A not√≠cia foi noticiada por CNBC, contatados por alguns desenvolvedores que foram rejeitados pelo aplicativo da Apple. Segundo o que foi declarado, alguns desses aplicativos usam dados p√ļblicos da Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde para mostrar mapas e estat√≠sticas sobre a propaga√ß√£o da infec√ß√£o. Um desenvolvedor disse que um funcion√°rio da empresa Cupertino explicou que “qualquer coisa relacionada ao coronav√≠rus deve ser divulgada por uma organiza√ß√£o oficial de sa√ļde ou governamental

Segundo outras fontes, a Apple avaliaria especificamente aplicativos que lidam com coronav√≠rus para impedir a dissemina√ß√£o de informa√ß√Ķes incorretas. Ele examina a origem dos dados de sa√ļde e se os desenvolvedores representam organiza√ß√Ķes nas quais os usu√°rios podem confiar para publicar dados precisos, como governos ou organiza√ß√Ķes focadas na sa√ļde. Em suma, √© uma atitude compreens√≠vel por parte do gigante californiano num momento em que todos temos o dever de evitar a propaga√ß√£o fake-news que d√£o origem a p√Ęnico e desinforma√ß√£o.

O controle da Apple sobre aplicativos relacionados ao coronavírus parece funcionar, pois há poucos resultados na App Store. A primeira aplicação, de fato, parece ser a oficial do governo brasileiro.