Conheça o misterioso exército cibernético do Iêmen

Um misterioso grupo de hackers apresentou um plano para descobrir segredos de Estado sauditas. √Č chamado de “Ex√©rcito Cibern√©tico do I√™men” ou “Ex√©rcito Cibern√©tico do I√™men”, mas, de acordo com a rede Buzzfeed, n√£o est√° claro se est√° baseado naquele pa√≠s.Ex√©rcito cibern√©tico do I√™men

No momento, especialistas em segurança estão tentando descobrir quem está por trás dessa equipe (Exército Cibernético do Iêmen) e qual é seu objetivo final.

Tudo come√ßou em 14 de abril, quando o site do jornal Al Hayat foi ocupado por pessoas que postaram amea√ßas para impedir a Ar√°bia Saudita de intervir nos conflitos internos no I√™men. Logo depois, um grupo de pessoas que se autodenominavam “Ex√©rcito Cibern√©tico do I√™men” assumiu a responsabilidade e logo lan√ßou uma campanha de m√≠dia social com a hashtag #OpSaudi.

Em 20 de maio, o Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores da Ar√°bia Saudita sofreu ataques cibern√©ticos e, no dia seguinte, o site de not√≠cias iraniano FARS publicou um artigo alertando o misterioso Ex√©rcito Cibern√©tico do I√™men de que em breve revelaria informa√ß√Ķes e informa√ß√Ķes pessoais de oficiais e diplomatas federais. Em breve, essas informa√ß√Ķes foram divulgadas na p√°gina Pastebin.com.

Cerca de um m√™s ap√≥s o incidente, o Wikileaks anunciou que o grupo de hackers era de fato respons√°vel por interceptar os dados, o que provou ser uma concess√£o de grupos isl√Ęmicos na Ar√°bia Saudita. Desde aquele dia, o ex√©rcito cibern√©tico permaneceu em sil√™ncio, recusando-se a responder a perguntas de rep√≥rteres que tentavam alcan√ßar seus membros.

Boaz Dolev, diretor da empresa israelense de segurança na Internet Clearsky, afirma que o grupo está sediado no Irã.

“Quem acredita que um grupo de hackers do I√™men conseguiu entrar no sistema da Ar√°bia Saudita n√£o possui ilus√Ķes ou n√£o entende nada sobre o mundo dos hackers atualmente”, explicou Dolev, acrescentando que seria mais f√°cil culpar o Ir√£ outro pa√≠s.

Segundo a rede Buzzfeed, o programa, usado contra 550 alvos, metade dos quais na Ar√°bia Saudita, tinha como objetivo espionagem e de maneira alguma o chamado “hacktivismo” (ataque cibern√©tico). Muitos endere√ßos IP tamb√©m foram identificados no Ir√£.

Neste ponto, as contas do Twitter que expressam seu apoio ao Exército Cibernético do Iêmen em 2014 afirmam que o governo iraniano assumiu o controle de seu movimento.

Ainda assim, n√£o √© incomum o grupo de hackers usar frases an√īnimas, para mostrar sua unidade com a organiza√ß√£o ativista espec√≠fica ou para enganar sobre seu real objetivo.

Huffingtonpost.gr