Como o Google engana o Safari da Apple para roubar dados

procurar

Usuários britânicos do Safari da Apple processaram o Google porque alegam que a empresa está usando táticas fraudulentas para enganar o navegador e obter dados do usuário sem permissão. O Tribunal de Apelação da Inglaterra e do País de Gales decidiu que o caso deveria ser considerado mais a fundo.

“É uma vitória de David contra Golias”, disse Marc Bradshaw, uma das três pessoas processando a empresa, segundo a BBC.

“O Tribunal de Apelação mostrou que o Google não pode usar seus vastos recursos para evitar a justiça inglesa. Usuários regulares de computador como eu agora terão o direito de processar esse gigante para responsabilizá-lo nos tribunais por suas ações inaceitáveis, antiéticas e injustas”.

Bradshaw e seus amigos acusam o Google de burlar as configurações de privacidade do Safari para rastrear usuários do navegador da Apple a fim de exibir anúncios personalizados.

O Safari pode ser configurado para rejeitar os cookies de um site, a menos que haja alguma interação do site – por exemplo, o Safari aceitará um cookie de login se o usuário tentar fazer login em um fórum usando o formulário de registro de nome de usuário e a senha.

Para contornar essa verificação, o Google finge que existe alguma forma de envio de credenciais quando o navegador visita um servidor executado pelo Google. O código oculto permite que o Safari seja efetivamente induzido a aceitar cookies de rastreamento. O uso dessa técnica foi descoberto por pesquisadores de Stanford e levou a pedidos de investigação da FTC e ações judiciais nos EUA e no Reino Unido.

O Google argumentou sem sucesso que o sistema judicial do Reino Unido não tinha jurisdição no caso e também buscou uma absolvição, já que ninguém sofreu perdas financeiras. Na sexta-feira, o tribunal rejeitou ambos os argumentos, decidindo que o caso deveria ser considerado mais a fundo.

A decisão pode permitir que milhões de outros usuários da Apple que aceitam os cookies de rastreamento invisíveis do Google iniciem batalhas legais com a empresa.

Artigos Relacionados

Back to top button