Avaliação do Xiaomi Mi Band 4: a nova rainha das bandas inteligentes

O Xiaomi Mi Band 4 será o décimo terceiro best-seller da empresa chinesa no setor de dispositivos portáteis. Custa 34,99 € e oferece praticamente tudo o que se pode esperar de um produto desse tipo: exibição AMOLED colorida; monitoramento de atividade física com sensor de frequência cardíaca; monitoramento do sono; à prova d’água até 50 metros (completo com traçado de natação); visualizando notificações.

Um conjunto de recursos que, com dispositivos de outras marcas, exigem outros investimentos. Tudo isso não significa que o Mi Band 4 seja perfeito. Por exemplo, falta o GPS, e isso pode representar um limite importante para quem usa esses dispositivos para fazer jogging, talvez em um nível um pouco mais alto que o simples “jog” amador. O baixo preço de venda não pode ser esquecido, no entanto, e é exatamente nesse aspecto que a Xiaomi poderá alavancar em uma perspectiva comercial.

Design e usabilidade

O design do Mi Band 4 se parece muito com o da geração anterior. O coração pulsante, isto é, a seção que contém a tela e todos os outros sensores, é liberado da pulseira de silicone, para que a bateria possa ser recarregada. Ele pesa apenas 22 gramas e é muito confortável de usar no pulso, tanto que você se esquece de usá-lo durante o dia.

A escolha do silicone para a pulseira (por mais intercambiável e disponível em cores diferentes) pisca inevitavelmente no campo esportivo, tornando o Mi Band 4 menos adequado para ser combinado com roupas mais clássicas. A impermeabilidade de até 5 ATM permite que você o mantenha no pulso em qualquer circunstância (mesmo no chuveiro ou na piscina), sem preocupações.

A fixação da alça é extremamente firme e a parte com a tela cabe dentro sem qualquer incerteza, permanecendo firmemente ancorado. A Xiaomi fez a escolha inteligente de não perturbar uma fórmula construtiva que já é convincente e, de qualquer forma, testada há anos. Em resumo, estamos diante de um dos itens de vestuário mais confortáveis ​​de usar, mas precisamos renunciar a materiais “nobres” ou a projetos particularmente sofisticados.

Tela e funcionalidade

A tela é uma das grandes novidades em comparação com o modelo anterior. A Xiaomi de fato integrou um painel AMOLED colorido de 0,95 polegadas com uma resolução de 120 x 240 pixels. Este é um bom passo em frente em relação ao que foi visto com o Mi Band 3, embora seja uma tela que não está livre de defeitos. Por exemplo, eu achei o nível máximo de brilho não tão alto, de modo a criar algumas dores de cabeça na visibilidade ao ar livre durante dias particularmente ensolarados.

No entanto, ter uma tela colorida em uma banda inteligente tem suas vantagens, in, pois permite visualizar melhor as várias informações, que se destacam aos olhos inevitavelmente mais efetivamente. Com a tela, é obviamente possível interagir com os dedos (é uma tela sensível ao toque), mas também existe uma espécie de botão “home” de toque, em torno do qual a interface do sistema gira.

A parte do software também foi repensada. O Mi Band 4 suporta rastreamento de corrida, caminhada, esteira, ciclismo, natação e ginástica. Pessoalmente, testei a detecção de corrida e natação, encontrando dados certamente indicativos, mas ainda não tão precisos quanto os garantidos por dispositivos de marcas especializadas nessa área (penso em Garmin), propostos, porém, em números bastante diferentes.

Discurso semelhante para a detecção do batimento cardíaco, que acaba sendo preciso na vida cotidiana, no entanto, perdendo alguns golpes durante os esportes. A sensação é de que o Mi Band 4 está enfrentando um pouco de dificuldade com as súbitas mudanças nos batimentos cardíacos, que são específicas dos esportes. Considerando também a ausência de GPS, é uma banda inteligente pouco adequada para quem pratica esportes em determinados níveis.

Integração com o smartphone, garantido pelo Bluetooth 5.0em vez disso, é totalmente convincente. É possível receber todas as notificações (vibração ou visualização no visor quando a tela do telefone está desligada), rolá-las completamente diretamente do Mi Band 4, sem poder interagir. Você também pode controlar a reprodução de música da banda inteligente e tudo é suportado pelo aplicativo Mi Fit, compatível com Android e iOS. Falta a NFC na versão européia (portanto, não há pagamentos móveis), não há microfones ou alto-falantes (as chamadas devem ser gerenciadas pelo telefone celular).

Há detecção de sono, enquanto a parte do software é totalmente em inglês (deste ponto de vista, é muito provável que a Xiaomi esteja trabalhando em uma atualização de software para incluir o idioma italiano). Excelentes notícias de autonomia: a bateria de 135 mAh garante cerca de 14 dias longe da tomada elétrica (recarrega em cerca de duas horas), então estamos realmente em outro nível, desse ponto de vista, em comparação com os smartwatches clássicos, especialmente aqueles equipados com o Wear OS do Google.

Conclusões: quem deve comprá-lo?

O Mi Band 4 não é a banda inteligente ideal para quem pratica esportes em um nível superior ao nível amador. O monitoramento da atividade esportiva, por mais completo que seja, está longe da precisão garantida por outros dispositivos, que, no entanto, custam muito mais. Estamos diante do produto ideal para quem precisa de uma ferramenta para visualizar as notificações de smartphones e, ao mesmo tempo, quer ter seus negócios sob controle sem demandas específicas.

34,99 euros representam um valor muito pequeno em comparação com o que é oferecido. Estou convencido de que o Mi Band 4 se mostrará um dos mais vendidos no campo de wearable neste 2019. A Xiaomi mostrou, pela enésima vez, como a relação qualidade / preço é hoje a abordagem mais sensata para abrir espaço, em convincentemente, em um setor cada vez mais saturado.

Artigos Relacionados

Back to top button