Apple: Wall Street espera queda de 6% no segundo trimestre de 2019

Apple anunciar√° seus resultados fiscais no segundo trimestre de 2019 amanh√£, 30 de abril, mas os analistas de Wall Street j√° t√™m previs√Ķes ruins com resultados apontando para o lado negativo. De fato, a m√©dia das quatro principais proje√ß√Ķes prev√™ uma contra√ß√£o de cerca de 5-6% em rela√ß√£o ao mesmo per√≠odo do ano passado com receitas que devem atingir de US $ 55,44 bilh√Ķes a US $ 58,27 bilh√Ķes.

Um resultado que est√° na metade das previs√Ķes anteriores da Apple para o per√≠odo em quest√£o: entre 55 e 59 bilh√Ķes de d√≥lares. As an√°lises levadas em considera√ß√£o s√£o Apple 3.0, Visible Alpha, Thomson Reuters e Estimize. Sendo o Q2 j√° em casa, a aten√ß√£o foi mudada para proje√ß√Ķes que a casa de Cupertino poderia anunciar para o terceiro semestre fiscal. A maioria das estimativas √© negativa ao prever um queda variando de 1,39% a 2,62% comparado a 2018, exceto o Estimize, que espera que a Apple anuncie um aumento de 1,39% na receita.

Crédito: Ped30

J√° no primeiro trimestre de 2019, a gigante californiana foi for√ßada a revisar sua previs√£o de queda e – conseq√ľentemente – implementar pol√≠ticas para lidar com a contra√ß√£o das vendas do iPhone em alguns mercados, como a √Āsia. Nesse sentido, segundo analistas pode haver mais redu√ß√Ķes de pre√ßo, especialmente para o iPhone Xr, o smartphone mais barato da Cupertino.

Crédito: Ped30

A redu√ß√£o deve preocupar a China, onde “A Apple continua a ter uma situa√ß√£o de c√≥digo vermelho “. Uma estrat√©gia de pre√ßos correta e mais acess√≠vel ser√° crucial para n√£o perder a participa√ß√£o de mercado j√° detida especialmente com a concorr√™ncia acirrada de marcas chinesas como Huawei e Xiaomi. A Apple deve, portanto, garantir que n√£o perca mais usu√°rios, especialmente agora que est√° investindo pesadamente em servi√ßos que – entre outras coisas – s√£o a divis√£o que registrou um crescimento de 19% durante o primeiro trimestre fiscal de 2019.

Al√©m disso, a queda de pre√ßo na China levou a um aumento nas vendas do iPhone no per√≠odo anterior. Com base nesses resultados, A Apple deve pensar em aplicar solu√ß√Ķes semelhantes em outros mercados tamb√©m para evitar uma nova redu√ß√£o no volume de neg√≥cios. Veremos se Cupertino decide revisar sua pol√≠tica de pre√ßos, tendo em vista a pr√≥xima gera√ß√£o de iPhones que ser√£o apresentados – com toda a probabilidade – em setembro de 2019.