Apple, primeiros sinais de recuperação na China: vendas do iPhone caem apenas 3%

No √ļltimo per√≠odo, a Apple n√£o experimentou um momento positivo na China. De acordo com dados da Canalys, de fato, as vendas do iPhone registraram uma queda de 30% na China durante o primeiro trimestre de 2019, atingindo 6,5 milh√Ķes de unidades vendidas. Mas as coisas podem mudar. Tim Arcuri, analista de USB, disse que em abril, a empresa Cupertino vendeu apenas 3% menos que o iPhone em compara√ß√£o com o mesmo per√≠odo de 2018.

Arcuri atribui a melhoria principalmente à recuperação geral do mercado de smartphones no que é o maior mercado mundial. As remessas globais de smartphones para a China Рobserva o analista Рaumentaram 6% após a queda de 9% e 10% nos meses anteriores. O mercado geral continua se saindo melhor que a Apple registrando um crescimento de 29% em relação a março de 2019 contra 19% da empresa americana.

A China continua sendo uma importante fonte de renda para a Apple, mesmo que no primeiro semestre de 2019 o volume de neg√≥cios chin√™s tenha diminu√≠do 22% em rela√ß√£o ao mesmo per√≠odo do ano anterior, atingindo US $ 10,22 bilh√Ķes. As iniciativas da Apple tamb√©m est√£o impactando a recupera√ß√£o das vendas, embora lenta na China, onde os pre√ßos – no in√≠cio do ano – foram reduzidos para vendedores terceirizados. Sem esquecer que, no m√™s passado, o pre√ßo do iPhone caiu 6% no pa√≠s ap√≥s a decis√£o do governo chin√™s de reduzir o IVA para os produtores.

A situação pode melhorar nos próximos meses, graças também ao ciclo de substituição que permitiria aos usuários atualizar seu iPhone para o modelo mais recente. Em tudo isso, não devemos esquecer a guerra comercial entre os EUA e a China, cujos efeitos também podem recair sobre a Apple. No momento, no entanto, a empresa de Tim Cook não parece ser afetada pelo problema, como destacou Arcuri, que não detectou nenhuma reação negativa decorrente da guerra EUA-China.

Um impulso maior pode vir da chegada do iPhone 5G Рprovavelmente em 2020 Рgraças ao acordo entre a Apple e a Qualcomm. Vamos ver como o mercado de smartphones evoluirá, o que, de acordo com a IDC, já deve se recuperar a partir do segundo semestre de 2019 e, aparentemente, é assim.