Apple investigada no Japão por abuso de posição dominante

A Comissão de Comércio Justo (FTC), a comissão antitruste japonesa, começou uma investigação sobre os contratos da Apple com fornecedores locais para determinar se houve pressão e se a empresa abusou de sua posição para obter vantagens. O comportamento contestador violaria as regras antimonopólio japonesas, de acordo com o relatado pela revista Mainichi Shimbun.

A fonte alega que a investiga√ß√£o da FTC mostrou que a Apple firmou acordos que for√ßou empresas japonesas a fornecer tecnologias gratuitamente e conhecimento de produ√ß√£o para suas afiliadas. Al√©m disso, est√£o as press√Ķes presumidas sobre alguns fornecedores de baixar os pre√ßos dos componentes e as alegadas proibi√ß√Ķes de venda de tecnologias para empresas terceirizadas, exigindo que as empresas suportem os custos de poss√≠veis eventos inesperados.

A ag√™ncia de not√≠cias Reuters acrescentou – al√©m disso – que uma empresa japonesa, cujo nome permaneceu an√īnimo, tentaria contestar, especificando que isso √© uma viola√ß√£o dos direitos de propriedade intelectual. A Apple teria respondido amea√ßando encerrar as rela√ß√Ķes comerciais. Por todas essas raz√Ķes, a FTC lan√ßou uma investiga√ß√£o para determinar se a Apple abusou de sua posi√ß√£o dominante implementando pr√°ticas anticoncorrenciais destinadas a fortalecer seu monop√≥lio.

N√£o √© a primeira vez que a Apple enfrenta situa√ß√Ķes semelhantes no Jap√£o. A empresa liderada por Tim Cook acabou sob a lupa das autoridades japonesas em v√°rias ocasi√Ķes: supostas viola√ß√Ķes das leis antitruste sobre a forma como os iPhones eram vendidos no pa√≠s japon√™s e acusa√ß√Ķes de pressionar o Yahoo Japan para desacelerar o processo. expans√£o de sua plataforma de jogos online para reduzir a rivalidade com a App Store.