Adobe está se movendo bem na nuvem

Parece que o Adobe desistir Creative Suite, sua principal fonte de receita, para Creative Cloud, o novo serviço baseado na Web que não estreou há um tempo atrás.

Adobe_Logo Não é tão radical quanto parece, pois A Adobe não abandona o conjunto de produtos que o tornou famoso e, é claro, não abandona o software de desktop em benefício de aplicativos baseados na Web.

O que deixa para trás é a venda a retalho do produto, pois eles não venderão mais software em uma caixa ou como um download independente.

Em vez disso, oferecerá um serviço de assinatura que permitirá acessar os aplicativos que você escolher, juntamente com algumas das ofertas em nuvem que já existem como parte da Creative Cloud. O acesso ao Behance, um site comprado pela Adobe no final do ano passado, fará parte de um novo contrato comercial para os interessados ​​na nova Creative Cloud.

O que isso significa é que o próximo Photoshop, Illustrator, o próximo Dreamweaver e assim por diante estarão disponíveis apenas através do serviço de assinatura na nuvem.

Também com esse movimento, a Adobe parece estar abandonando os números de emissão. Os usuários sempre terão todos os novos recursos e atualizações e sempre executarão a versão mais recente de qualquer aplicativo que precisarem, desde que paguem sua assinatura.

A versão completa do Creative Cloud, com todos os aplicativos da Master Collection, custará US $ 49,99 por mês. Os titulares do Creative Suite 3 e superior poderão ter o novo serviço no primeiro ano por US $ 29,99 por mês.

Se você precisar apenas de um aplicativo, como o Photoshop, por exemplo, o preço será de US $ 19,99. Obviamente, se você usar mais de dois aplicativos, o preço será mais baixo. Com esse movimento, a Adobe, além de interromper os downloads e as contínuas atualizações necessárias enviando-os aos proprietários de seus produtos, descobriu um meio de combater a pirataria, pois seus aplicativos eram os mais procurados nas conhecidas lojas de piratas.